Policiais militares de Minas Gerais vão para o Rio Grande do Sul para auxiliar no resgate e policiamento

Efetivo de 35 militares seguirão por terra até o Estado gaúcho.

A Polícia Militar de Minas Gerais vai enviar 35 militares para ajudar no resgate de vítimas na tragédia climática no Rio Grande do Sul. Outros sete já estão no estado gaúcho. O efetivo vai atuar também no policiamento, já que nas 336 cidades, de um total de 497, há registro saques, assaltos e furtos em meio à tragédia.

De acordo com a corporação, os militares vão seguir em uma viagem por terra, que deve durar mais de 26 horas. O comboio que segue para o RS também com micro-ônibus, viaturas e barcos. Já estão em atuação por lá um avião e um helicóptero.

“Esses 35 policiais vão para esse reforço por terra, para apoiar na questão de logística. Vamos com oito viaturas e quatro barcos que apoiarão no policiamento ordinário, no que a gente faz de segurança pública preventiva e repressiva. Vamos compor guarnições que estão no local atuando nesse momento e também apoiando na questão dos resgates”, detalhou a porta-voz da PM, a major Layla Brunnela.

Todos os militares que seguem para RS, antes do embarque, foram informados pelo comando de como e onde vão atuar e foram imunizados com sete tipos de vacinas. Segundo Layla, não há data para retorno. “Não há essa expectativa de retorno, porque sabemos que as questões de segurança pública começam a se agravar nesse pós-tragédia. Então, estamos nos colocando à disposição do estado do Rio Grande do Sul para iniciar a missão e ficarmos lá o tempo necessário para poder apoiá-los”, explicou.

Continua após a publicidade

Tragédia

Conforme o último balanço das autoridades, a tragédia climática no RS já provocou 95 mortes, sendo que quatro casos estão em avaliação. O governador Eduardo Leite confirmou que 131 pessoas estão desaparecidas. Pelo menos, 401 cidades foram afetadas, o que representa 80,6% do total de 497 cidades gaúchas. 

Em entrevista à imprensa nesta terça-feira (7), o governador classificou a situação de “catástrofe”. Além disso, 48.799 pessoas deixaram suas casas e estão em abrigos.

Continua após a publicidade

No entanto, o governo contabiliza um total de 159.036 cidadãos na condição de desalojados. O desastre deixou, até o momento, 1,4 milhão de pessoas afetadas pelo desastre. O Rio Grande do Sul tem 10,8 milhões de habitantes, segundo o censo de 2022 do IBGE.

“O tamanho da crise no Rio Grande do Sul é o que especialmente torna essa situação difícil de tratarmos. Praticamente todo o estado está atingido de alguma forma”, lamentou o governador.

Ele disse que os números estão se elevando a cada dia, mas que os dados podem estar “imprecisos”. 

Continua após a publicidade

Queda de temperatura

A previsão é de queda das temperaturas a partir da noite de quarta-feira (8) e quinta-feira (9) com estimativa de chuva forte na zona sul do estado.

“Há uma primeira projeção de que, entre sexta-feira e domingo, nós voltemos a ter chuvas muito fortes na metade norte do estado, com incidência nos rios que já se elevaram e que já provocaram todos esses estragos”, disse o governador. 

O governador pede que as pessoas ainda não voltem para suas casas, pois há risco de novas enchentes. 

Siga o canal do Destak News e receba as principais notícias no seu Whatsapp!