Prefeituras de Minas Gerais decidem iniciar ano letivo só depois do carnaval

0 724

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Agência Estado
Prefeituras de Minas Gerais resolveram acatar a recomendação da Associação Mineira de Municípios (AMM) para iniciar o ano letivo somente após o carnaval. Diversas regiões já oficializaram a decisão. O argumento é o atraso nos repasses por parte do governo estadual.
Na terça-feira (29), as prefeituras do Triângulo Mineiro e do Vale do Paranaíba aderiram à sugestão. Em encontro organizado pela Associação dos Municípios da Microrregião do Vale do Paranaíba (Amvap), que representa 22 prefeituras, ficou resolvido que as escolas de ensino fundamental e infantil iniciarão o ano letivo somente no dia 11 de março.
A reunião foi em Uberlândia, segunda maior cidade de Minas. Também participaram representantes de Araguari, Centralina, Campina Verde, Ituiutaba, Monte Alegre de Minas, Monte Carmelo e outros municípios.
Sobre o prejuízo para os alunos, as prefeituras alegam que pior seria reabrir as escolas sem ter dinheiro para pagar funcionários, fornecedores e custear serviços como o da merenda. “Essa é uma decisão política e econômica”, diz o presidente da Amvap e prefeito de Canápolis (MG), Ualisson Carvalho Silva.
“Não adianta iniciar as aulas e não conseguir dar continuidade logo mais. O que buscamos é qualidade no ensino sem aulas interrompidas lá na frente”, justifica. Na região, o atraso nos repasses do Estado envolvendo recursos como os do ICMS, IPVA e Fundeb somam R$ 471 milhões.
Outros municípios
No norte de Minas, em reunião na última sexta-feira, 25, os municípios também decidiram reiniciar as aulas em março – isso se o governo regularizar o repasse do Fundo de Desenvolvimento e Manutenção do Ensino Básico (Fundeb) e do transporte escolar. Caso contrário, os alunos voltarão às escolas apenas em abril.
A decisão de adiar as aulas para depois do carnaval também já foi referendada por municípios de regiões como o noroeste mineiro e o Médio São Francisco. Mas em algumas localidades foi definida uma data alternativa. É o caso de Juiz de Fora, que de 7 de fevereiro, mudou para 18 de fevereiro o início do ano letivo. A prefeitura tem R$ 200 milhões em atraso.
Prazo
O governo divulgou comunicado para dizer que na rede estadual “em respeito a toda comunidade escolar” está mantido “o início do ano letivo de 2019 no dia 7 de fevereiro”. Alega ainda que “para garantir o funcionamento das escolas neste início de ano e honrar com seus compromissos” repassou R$ 48,7 milhões para a educação.
“Além disso, esta gestão regularizou os repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) do exercício do ano 2019” diz.
O governador Romeu Zema (Novo), em reunião com representantes de prefeituras em Varginha na última quinta-feira, 24, prometeu regularizar os repasses até o início de fevereiro. Na ocasião, ele reclamou de ter assumido “um governo falido, desorganizado, com situação muito mais grave do que os números demonstravam”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.