Polícia Civil desarticula esquema que arrecadou R$ 160 mi com empresas fantasmas e empréstimos falsos

Envolvidos responderão por organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsificação de documento público e particular, estelionato e falsidade ideológica.

0 107

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A Operação Apate, realizada pela Polícia Civil na manhã desta quinta-feira (13), desarticulou uma quadrilha suspeita de movimentar R$ 160 milhões com fraudes processuais e lavagem de dinheiro nos últimos dois anos. Os três suspeitos de comandarem o esquema, incluindo um advogado da capital mineira que morava em apartamento de luxo no bairro Buritis, avaliado em R$ 2,5 milhões, estão foragidos e negociam se entregar.

A matéria continua após a publicidade

O grupo atuava principalmente em Belo Horizonte, Pará de Minas e Contagem, por meio da abertura e do fechamento sucessivo de empresas fantasmas em nome de empresários famosos, que não sabiam do esquema.

Vídeo mostra o momento em que a polícia entrou no apartamento de luxo de um dos suspeitos: Confira:

“Uma das vítimas foi o herdeiro de uma grande construtora da capital, reconhecida nacionalmente. Ele viu que havia um pedido de emissão de CNH em seu nome, com o envio programado para um endereço desconhecido. Após dar queixa, começamos a investigação, há um ano, e descobrimos o esquema”, afirma o delegado Vinicius Dias, da Delegacia de Fraudes.

De acordo com a Polícia Civil, os documentos falsos, emitidos em nome de grandes empresários, eram usados para facilitar a abertura das empresas e também as operações financeiras da quadrilha, como empréstimos falsos.

“As empresas duravam poucos meses e, quando as vítimas viam que tinha uma conta corrente ou empréstimo no nome delas, a organização já tinha fechado aquela empresa e passado para outra, de outro ramo. Aparentemente, os membros tinham um bom conhecimento de trâmites comerciais, facilidade para solicitar procurações em cartórios e acesso a processos em fóruns e no Tribunal de Justiça”, afirma Dias.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Nas casas dos suspeitos foram apreendidos relógios, carros de luxo, bebidas e instrumentos musicais. Entre outros crimes, os envolvidos responderão por organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsificação de documento público e particular, estelionato e falsidade ideológica.

A pena mínima é de 25 anos de reclusão, podendo chegar a 60 anos.

Fonte Hoje em Dia

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.