Com o objetivo de levar atendimento de urgência a todos os municípios do Estado, o Samu constitui um dos principais pilares da Rede de Urgência e Emergência de Minas Gerais. Ele é essencial no atendimento primário às urgências, impedindo a evolução de quadros graves, inclusive aqueles de situações evitáveis e que poderiam levar ao óbito do paciente.
De acordo com o secretário-adjunto da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Nalton Moreira, a regionalização do serviço é uma das prioridades do atual governo. “A regionalização possibilita a organização dos atendimentos de urgência e emergência não só na região, mas em todo o Estado. Permite atingir um público maior, onde os municípios participam e têm as populações atendidas”, destaca.
A Rede de Urgência e emergência é composta pela Atenção Primária em Saúde, Unidades de Pronto-atendimento e pontos de atenção hospitalar
Atualmente, existem seis Samus Regionais que permitem que 523 dos 853 municípios mineiros tenham acesso ao serviço. Isso equivale a 61,3% de cobertura do Estado, atendendo cerca de 9,33 milhões dos 20,7 milhões habitantes, alcançando 45% da população.
O Samu Regional está implantado nas regiões ampliadas de saúde Norte, Nordeste/Jequitinhonha, Centro-Sul, Sudeste, Sul e Centro-Oeste – último a ser inaugurado em 2017, abrangindo 54 municípios. Além deles, Minas conta com 12 Samus municipais, distribuídos em Belo Horizonte, Betim, Contagem, Governador Valadares, Ipatinga, Itabira, Mariana, Ouro Preto, Poços de Caldas, Sete Lagoas, Uberaba e Patos de Minas.
Segundo a coordenadora de Urgência e Emergência da SES, Kelly Fortini, além do Samu funcionar 24 horas por dia, “o serviço é de amplo acesso à população, efetivando não só atendimento assistencial de maneira direta, com envio de veículos tripulados por equipes capacitadas, mas também, prestação de orientações médicas por telefone. Com o funcionamento regional, os atendimentos móveis de urgência passaram a contar com a disponibilidade de ambulâncias devidamente equipadas para o atendimento pré-hospitalar”, esclarece.

A matéria continua após a publicidade