AnuncioTop

Ultimas Notícias

recent

Copasa não tem licenciamento para tratar água de Divinópolis

10/10/2017
De acordo com o presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), Sargento Elton (PEN), a companhia tem apenas a outorga para o tratamento de água da cidade
A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) não tem licenciamento para tratar a água de Divinópolis. 

Do Portal G37


A informação foi dada pelo representante da Superintendência Regional de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Supram), Rafael Teixeira, ontem (9), à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara Municipal, que investiga o cumprimento das responsabilidades legais da Copasa com o Município na execução dos serviços que lhe foram concedidos para o abastecimento de água e esgotamento sanitário, seus termos aditivos, Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), firmado com o Ministério Público. A CPI ouviu ontem os representantes do Instituto Mineiro de Gestão das Águas (Igam), Instituto Estadual de Florestas (IEF) e da Supram.
A Comissão convidou também representantes da Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais (Arsae/MG), porém ninguém compareceu. De acordo com o presidente da CPI, Sargento Elton (PEN), a comissão irá apurar agora o tempo que a companhia está sem a licença para tratar a água de Divinópolis. Conforme Sargento Elton, a empresa possui apenas a outorga, que é uma autorização momentânea para a empresa tratar a água. “A licença ambiental a Copasa não tem para tratar a água em Divinópolis. Nós vamos requerer este documento à Supram para apurar o tempo que ela está sem este licenciamento”, comunica.
Segundo o presidente da Comissão, os ex-prefeitos de Divinópolis serão ouvidos nas próximas fases da investigação. Ainda conforme Sargento Elton, os resultados dos testes realizados pela Prefeitura de Divinópolis nesse final de semana, que comprovaram que a água fornecida pela Companhia aos divinopolitanos não tinha a quantidade de cloro recomendada pelo Ministério da Saúde, interferem diretamente nos trabalhos da CPI. “Nós vamos requerer agora à Vigilância Sanitária o laudo técnico, comprovando que foi encontrado ali água não potável, e até mesmo com detrito de fezes, e isso é mais uma prova que a água não está sendo tratada e não está sendo fornecida uma água com qualidade para os divinopolitanos”, informa.
Durante os depoimentos, o vereador Cleitinho Azevedo (PPS) perguntou aos representantes dos órgãos ambientais se a Companhia prestava um bom serviço em Divinópolis. Após 15 segundos calados, os representantes da Supram, do Igam e do IEF disseram que a empresa presta, em parte, um bom serviço na cidade. “Eles até gaguejaram e ficaram sem resposta e sem resposta só mostra que realmente a Copasa não cumpre o contrato e a CPI é para mostrar para o [Poder] Executivo e para o Ministério Público que está na hora de agir”, enfatiza. O licenciamento ambiental necessário para tratar a água de Divinópolis é emitido pela Supram. Nenhum representante da Superintendência quis falar sobre o assunto.

NOTIFICAÇÃO

Os problemas com o fornecimento de água em Divinópolis parecem estar longe de ter um fim. A Prefeitura de Divinópolis de Divinópolis notificou a Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) por comercializar água sem cloro na cidade. Vários bairros de Divinópolis voltaram a receber água amarelada e com mau cheiro, entre eles os bairros Terra Azul, Alto das Oliveiras, J.A. Gonçalves, Jardinópolis, Nova Holanda, Manoel Valinhas, Planalto, Belvedere, Sagrada Família, Xavante e Vila das Roseiras. Em nota, a Prefeitura de Divinópolis informou que tem acompanhado o fornecimento de água na cidade e que coletou amostras de água na sexta-feira (6). Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, depois de realizar exames na água distribuída à população, a Diretoria de Vigilância em Saúde notificou a Copasa por fornecer água sem cloro. Conforme o Município, o fornecimento de água sem cloro fere o princípio de comercializar o produto com observância das condições necessárias à sua preservação.

Na nota, a Prefeitura informou ainda que o problema foi detectado também na amostra colhida no sábado (7). De acordo com a assessoria de imprensa do órgão, além do material já analisado, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) está colhendo novas amostras para o acompanhamento da situação. Segundo a Prefeitura, a água coletada e analisada ontem (9) estava dentro dos padrões normais. Até o final da tarde, a Diretoria de Vigilância em Saúde aguardava o posicionamento da Copasa para tomar as providências cabíveis neste tipo de situação. O cloro é um desinfetante altamente eficiente e é adicionado à água de abastecimento público para eliminar agentes patogênicos causadores de doenças, tais como bactérias, vírus e protozoários que geralmente crescem nos reservatórios de abastecimento de água.

COPASA

A Copasa informou em nota que foi utilizada a dosagem de cloro recomendada pelo Ministério da Saúde, pela Portaria 2.914, para desinfecção da água tratada e distribuída na cidade de Divinópolis. A estatal alegou ainda que o cloro não detectado em coletas pontuais não comprometeu a qualidade da água, uma vez que a água saiu da Estação de Tratamento com quantidade de cloro suficiente para garantir a desinfecção. “A Copasa faz o monitoramento da água distribuída para a população, com constantes análises que comprovam a sua potabilidade. Em Divinópolis, são realizadas, em média, 227 análises mensais para o controle da qualidade da água”, argumenta.

Publicidade
Copasa não tem licenciamento para tratar água de Divinópolis Reviewed by DestakNews Brasil on 12:24 Rating: 5
Postar um comentário
DESNEWS

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.