AnuncioTop

Ultimas Notícias

recent

Joesley aconselha interlocutor que, se há 'batom na cueca', é melhor delatar

29/09/2017

Em áudios recuperados pela PF, empresário também analisa como a classe política aderiu à delação e comenta efeitos colaterais de leis contra corrupção

Com Agência Estado/DestakNews

O empresário Joesley Batista, da JBS: o delator-conselheiro (Adriano Machado/Reuters)

Áudio da conversa de empresário da J&F com deputado mineiro, segundo revista 'Veja', está entre material entregue à Procuradoria após firmada delação.

Em conversa gravada com um interlocutor que responde por "Gabriel", Joesley Batista diz ter aconselhado um amigo sobre o que levar em consideração na hora de decidir por um acordo de delação premiada. Se tinha "batom na cueca", era melhor delatar, teria dito o empresário, segundo o áudio obtido pela revista  Veja.
"Ô, meu, é a coisa mais simples do mundo, porque se você tem problema e o problema é, como se diz, batom na cueca, ô, meu, corre lá e faz a porra dessa delação", disse Joesley ao seu interlocutor, que de acordo com a publicação seria o deputado federal Gabriel Guimarães (PT-MG). O áudio está entre os materiais que haviam sido sonegados ao Ministério Público Federal e que levaram, posteriormente, o então procurador-geral da República Rodrigo Janot a pedir a rescisão do acordo de delação e a prisão de Joesley e do executivo Ricardo Saud. 

A notícia continua após a publicidade

Na conversa, Joesley também detalha como atuou para aliciar o procurador Ângelo Goulart Villela e sua interlocução com o senador Renan Calheiros (PMDB-AL), a quem detalhava suas negociações com o MPF sobre o acordo de leniência da J&F.
Em outra gravação, desta vez com o executivo Ricardo Saud, o diretor Francisco Assis e Silva e a advogada da JBS, Fernanda Tórtima, Joesley relata que pretendia deixar o Brasil. "Ainda vou pra Nova York, vou amanhecer em Nova York, se Deus quiser. Eu vou ficar aqui, Fernanda? Cê tá louca? Soltar uma bomba dessa aí e ficar aqui fazendo o quê?"
A advogada considera que a PGR não perderia a oportunidade de fechar o acordo e que o melhor seria mesmo o empresário deixar o Brasil. "Se for pra dar imunidade, que seja fora pra ninguém ver tua cara, ninguém lembrar que você existe", diz Fernanda.

 

 
Joesley aconselha interlocutor que, se há 'batom na cueca', é melhor delatar Reviewed by DestakNews Brasil on 11:42 Rating: 5
Postar um comentário
DESNEWS

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.