Mais de 44 mil veículos foram fiscalizados, o que também já supera em 20% o número de 2016. O aumento do rigor motivou 13,7 mil Autos de Infração de Trânsito (AITs), o equivalente a um crescimento de 50% na comparação com o último ano.
A intensificação das operações, de acordo com o tenente Marco Antônio Said, assessor de imprensa do BPTran, é uma medida para melhorar o apoio dado pelo batalhão de trânsito ao Comando de Policiamento da Capital (CPC).
Said explica que, em 2016, o grupo fazia de quatro a seis operações diariamente na capital. Hoje, segundo o militar, são cerca de 20 blitze todos os dias. 
“A blitz é um das operações policiais de maior efetividade. Ela tira de circulação muitos criminosos, armas e drogas, além de criar um ambiente seguro nas localidades onde acontecem”, explica. 
Resultados
Os reflexos da fiscalização já foram percebidos. Os acidentes de trânsito sem vítima caíram 42% e os com vítima cerca de 13% entre janeiro e julho de 2017 na comparação com igual período do ano passado, segundo dados do BPTran. O número de flagrantes de pessoas dirigindo sem CNH ou com a carteira cassada também diminuiu, em 57%. 
Para o engenheiro e consultor em transporte e trânsito Osias Baptista Neto, o reforço nas blitze é essencial para garantir segurança aos motoristas e à população em geral. 
Ele afirma que a própria sensação de estar sendo fiscalizado já contribui para desestimular práticas que poderiam colocar as pessoas em risco no trânsito, como a dirigir em alta velocidade ou desrespeitar a sinalização viária.
“Além disso, pessoas que já perderam a carteira por pontuação e são potencialmente problemáticas vão ser flagradas”, opina o especialista. 
“O mais importante e que nem sempre é feito é a verificação da condição etílica dos motoristas. As blitze da Lei Seca são igualmente importantes” - Osias Baptista Neto, engenheiro e consultor em transporte e trânsito
Com aumento das ações, flagrantes de tráfico e consumo de drogas dispararam
As ocorrências envolvendo drogas tiveram destaque especial no levantamento feito pelo Batalhão de Trânsito (BPTran) em Belo Horizonte.
O número de flagrantes de pessoas utilizando entorpecentes no trânsito, de janeiro a julho, superou todos os registros do ano anterior. Foram 160 ocorrências nos primeiros sete meses do ano contra 82 em 2016.
E o problema não para no consumo de drogas. O tráfico flagrado pelos policiais no trânsito cresceu nada menos do que 633% no mesmo período de comparação.
A apreensão mais recente foi realizada, na última quarta-feira, no bairro Nova Cachoeirinha, região Noroeste da capital, durante operação do BPTran para localizar veículos irregulares.
Um dos carros abordados carregava quatro quilos de maconha prensada em tabletes, 150 pedras de crack, uma balança de precisão que supostamente seria usada para pesar drogas a serem comercializadas e, ainda, 800 microtubos que seriam usados para a venda da cocaína. 

Aumento número de blitz em BH