Um chute mal executado aos 44 minutos do segundo tempo, produzido pelo pé direito do jogador mais criticado do Atlético, decretou que a noite desta quarta-feira (9) surge como o ápice da crise do Galo em 2017. Sem conseguir fazer gol, a equipe mineira foi eliminada pelo Jorge Wilstermann na Libertadores.
Precisando vencer por 1 a 0 para ao menos levar a disputa aos pênaltis, o Galo ficou no 0 a 0  no Mineirão pelo jogo de volta das oitavas, numa eliminação negativamente histórica, sem conseguir balançar as redes dos bolivianos em 180 minutos de disputa.
PASSES LONGOS E FORMATAÇÃO ESTRANHA
Com a necessidade de reverter a derrota de 1 a 0 no jogo de ida, o Atlético foi praticamente solista na partida. No primeiro tempo, criou chances para fazer o placar da classificação. Mas ou os atacantes exageravam no chute, ou a arbitragem barrava o Galo,
Com uma formatação estranha no meio de campo, no qual Elias e Luan avançavam na direita, Adilson ia para o centro ocupar a vaga de Cazares e o equatoriano tentava fazer algo na esquerda, o Atlético assustou, mas deixou a etapa inicial com a torcida ainda mais preocupada.

A matéria continua após à publicidade.