AnuncioTop

Ultimas Notícias

recent

Justiça Federal suspende leilão de quatro hidrelétricas da Cemig

21/08/2017

Hidrelétricas estavam previstas para serem vendidas pela União dia 22 de setembro

O Tempo

Usina de Miranda é uma das hidrelétricas que a empresa mineira tenta reaver

O diretor comercial da Cemig, Dimas Costa, disse que o presidente da Cemig, Bernardo Salomão Alvarenga, está em Brasília, negociando, neste momento, recursos para manter as usinas, sem que elas sejam leiloadas.  Segundo o deputado Fábio Ramalho (PMDB-MG), que está acompanhando de perto as negociações com o governo federal,  a Cemig teria agenda com o Banco do Brasil. “Amanhã ele estará no Rio de Janeiro ( sede do BNDES). Acredito que se o BNDES está disposto a financiar toda a privatização, por que não financiar a Cemig”, disse Costa.

Ontem, durante abraço simbólico promovido pelos funcionários no prédio da Cemig, o  diretor de Geração e Transmissão da Cemig, Franklin Moreira Gonçalves,  lamentou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES)  não possa emprestar  à estatal os R$ 11 bilhões que ela precisa para ficar com as usinas. O valor seria repassado ao governo federal, que precisa da quantia para cobrir o rombo fiscal. A Cemig tem esperança de fechar um acordo com a União e evitar o leilão das hidrelétricas, marcado para o fim de setembro.

“É impossível que o BNDES, que financiou a privatização na década de 90, e continua a ter orientação para financiar as concessoes, não financie uma empresa igual à Cemig, que é uma das de maior excelência no setor elétrico brasileiro. Não acredito que o BNDES continue insensível ao pleito da Cemig e não faça o empréstimo para que a gente entregue ao governo federal e contribua para o cumprimento da meta fiscal”, ressalta  Gonçalves.

Gonçalves disse que o acordo está avançado na parte jurídica, mas ainda há um longo caminho para alcançar os recursos necessários, o que poderia ser solucionado com financiamento do BNDES. “Sabemos que não temos recursos e será difícil levantar, devido ao nosso endividamento. Temos tentativas de vender algumas das nossas empresas, mas isso não vai se viabilizar a tempo. Temos que contar com a agenda política dos nossos parlamentares e governador, para que eles vão até o BNDES e consigam uma MP para autorizar o banco a emprestar dinheiro para Cemig”, destaca Gonçalves.

Round

O round mais recente da disputa da Cemig para manter as usinas que o governo federal quer leiloar é a favor da estatal.  O Tribunal Regional Federal (TRF) suspendeu o leilão  de Jaguara, São Simão, Miranda e Volta Grande que estão com suas concessões vencidas. O desembargador do TRF da Primeira Região de Brasília, Antônio de Souza Prudente, concedeu liminar no dia 18 de agosto, suspendendo a venda das quatro usinas atendendo à ação popular feita pelo advogado Guilherme da Cunha Andrade. Na mesma data, o desembargador comunicou em ofício para conhecimento e cumprimento de sua decisão ao diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Romeu Rufino.

A matéria continua após à publicidade.

Amanhã, o Supremo Tribunal Federal (STF) vai julgar recurso da Cemig, que quer cancelar de vez o leilão. Como o governo federal vem sinalizando que não pretende desistir da venda, uma vez que precisa  levantar R$ 11 bilhões para cobrir o rombo fiscal, a Cemig está tentando, paralelamente, um acordo para que, ao invés do leilão, ela mesma pague diretamente o valor que a União deseja.

Na última sexta-feira,  durante ato simbólico na usina de Miranda, em Indianápolis, no Triângulo Mineiro, o  presidente da Cemig, Bernardo Salomão Alvarenga, confirmou a negociação com a União. “O acordo foi aceito desde que a Cemig consiga levantar os R$ 11 bilhões. Agora, precisamos que o governo (do Estado) nos ajude para conseguirmos um empréstimo nos bancos. Estamos em contato com várias instituições, como Banco do Brasil e BNDES”, afirmou Alvarenga.

Hoje, funcionários fizeram um abraço simbólico no prédio da Cemig, na avenida Barbacena, no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul. O ato é pela defesa da manutenção das usinas junto à Cemig.

BNDES

O diretor de Geração e Transmissão da Cemig, Franklin Moreira Gonçalves,  lamentou que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES)  não possa emprestar  à estatal os R$ 11 bilhões que ela precisa para ficar com as usinas. O valor seria repassado ao governo federal, que precisa da quantia para cobrir o rombo fiscal. A Cemig tem esperança de fechar um acordo com a União e evitar o leilão das hidrelétricas, marcado para o fim de setembro.
“É impossível que o BNDES, que financiou a privatização na década de 90, e continua a ter orientação para financiar as concessoes, não financie uma empresa igual à Cemig, que é uma das de maior excelência no setor elétrico brasileiro. Não acredito que o BNDES continue insensível ao pleito da Cemig e não faça o empréstimo para que a gente entregue ao governo federal e contribua para o cumprimento da meta fiscal”, ressalta  Gonçalves.
O diretor disse que o acordo está avançado na parte jurídica, mas ainda há um longo caminho para alcançar os recursos necessários, o que poderia ser solucionado com financiamento do BNDES. “Sabemos que não temos recursos e será difícil levantar, devido ao nosso endividamento. Temos tentativas de vender algumas das nossas empresas, mas isso não vai se viabilizar a tempo. Temos que contar com a agenda política dos nossos parlamentares e governador, para que eles vão até o BNDES e consigam uma MP para autorizar o banco a emprestar dinheiro para Cemig”, destaca Gonçalves.
 
Justiça Federal suspende leilão de quatro hidrelétricas da Cemig Reviewed by DestakNews Brasil on 19:01 Rating: 5
Postar um comentário
DESNEWS

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.