AnuncioTop

Ultimas Notícias

recent

Como o governo brasileiro transformou uma recessão em uma profunda depressão

29/05/2017
Mesmo quando ele fez o que era certo, a situação se agravou ainda mais
O artigo a seguir é uma adaptação da apresentação feita pelo autor na ocasião da V Conferência de Escola Austríaca, ocorrida nos dias 12 e 13 de maio, em São Paulo. Daí seu tom mais coloquial.
A última conferência do Instituto Mises Brasil ocorreu no dia 7 de setembro de 2014, há dois anos e oito meses.
Naquela ocasião, estávamos às vésperas de uma eleição presidencial, e a economia já mostrava vários sinais de desarranjo.
Esta era a principal notícia da época, do final de agosto de 2014:
1.png
O Brasil havia oficialmente acabado de entrar em recessão. O primeiro trimestre de 2014 já havia tido PIB negativo. O segundo também.
Dois trimestres seguidos de PIB negativo configuravam recessão técnica.
Ou seja, nós estamos convivendo com este termo — "recessão" — desde o início de 2014. É muito tempo.
Um fato que chamou muito a atenção à época era a queda contínua e cada vez mais acentuada nos investimentos.
invest2014.jpg

Também muito comentada era a queda na produção industrial.
prodindustrial2014.jpg

Eis uma pequena coletânea das notícias da época.

Todas essas notícias, repito, de meados de 2014.
E quais foram as notícias de lá pra cá?
pib-2015.png
Economia encolhe 3,8% em 2015.

PIB206.png
Economia encolhe mais 3,6% em 2016.

Consequência?
doisanos.png 
Com esses dois anos seguidos de recessão, a economia encolheu 7,2%. E voltou ao mesmo tamanho que tinha em 2010.
Regredimos sete anos em dois. Um bom Plano de Metas...
Temos hoje uma economia do mesmo tamanho da de 2010, mas com uma população muito maior, pois a população cresce anualmente. (Hoje, a população brasileira é 5,4% maior do que era em 2010).
Economia menor com uma população maior, a consequência é inevitável:
desempregados.png
Recorde no número de desempregados: 14,2 milhões.
E estas são estatísticas oficiais do governo, o que significa que esse número ainda é subestimado. O número real deve ser bem maior.
Cinco pontos
E então?
1) O que aconteceu de 2014, data da nossa última conferência, até hoje?
2) Por que dois anos de depressão?
3) Por que o desemprego foi para dois dígitos? Hoje ele é de 13,7%.
4) Por que a inflação de preços esbarrou em 11% em 2015? E por que ela está em queda acentuada hoje?
5) Por que os governos estaduais entraram em crise financeira?
Estes são os pontos que pretendo cobrir nesta palestra.
O que causou e o que intensificou a recessão
Em 2014, como mostrado acima, já estávamos em recessão. As causas da recessão foram as políticas intervencionistas da Nova Matriz Econômica, que foi o assunto daquela minha palestra de 2014.
Todas as políticas da Nova Matriz Econômica — política fiscal expansionista, juros artificialmente baixos, crédito subsidiado pelos bancos estatais, controle de preços, e aumento das tarifas de importação para "estimular" a indústria nacional — já foram detalhadas em ordem cronológica neste artigo, de modo que elas não serão novamente abordadas aqui. 
Meu principal objetivo é mostrar como foi que dois itens específicos da Nova Matriz Econômica se combinaram, bagunçaram toda a economia e, quando o governo foi tentar corrigi-los, a situação se agravou e ele transformou uma recessão em depressão.
Ou seja, o objetivo é mostrar que, quando o governo tentou corrigir uma lambança feita por ele próprio, essa tentativa de correção acabou por intensificar ainda mais a recessão e gerar uma depressão.
Começo com este gráfico, já velho conhecido dos nossos leitores, que é o gráfico da expansão do crédito até o final de 2014, ocasião da nossa última conferência.
credito1.png
A linha azul mostra o total de crédito concedido pelos bancos privados. (Itaú, Bradesco, Santander, HSBC (que hoje é do Bradesco), Citibank e vários outros pequenos). É o total de dinheiro que os bancos privados estão concedendo a pessoas e empresas que pedem empréstimos.
A linha vermelha mostra o total de crédito concedido pelos bancos estatais. (Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, BNDES e outros bancos públicos estaduais, como Banrisul, BRB, Banco do Nordeste, Banco da Amazônia, Banestes etc.)
Mais especificamente, a linha vermelha engloba BNDES emprestando para as empreiteiras da Lava-Jato, para Eike Batista, para as empresas da J&F etc; e Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil financiando imóvel, Minha Casa Minha Vida, Pronatec, Fies, fazendo as pedaladas fiscais etc.
A soma das linhas azul e vermelha representa o total de dinheiro que os bancos já jogaram na economia. Todo o processo de expansão de crédito nada mais é do que um mecanismo que aumenta a quantidade de dinheiro na economia.
De uma maneira bem sucinta, se a expansão do crédito aumenta muito a ponto de ameaçar a inflação de preços, o Banco Central sobe a taxa básica de juros — a SELIC —, a expansão do credito desacelera, e os preços passam a subir menos.
De maneira bem resumida e grosseira, isso é o básico de política monetária.
Só que, no Brasil, há uma jabuticaba. Os bancos estatais são imunes à SELIC. Eles trabalham com uma modalidade de crédito chamada "crédito direcionado".
Isso significa que os bancos estatais são obrigados, pelo governo, a direcionar empréstimos a juros bem abaixo da SELIC para alguns setores escolhidos pelo governo — como o setor imobiliário, o setor rural, o setor exportador, as empreiteiras e os barões do setor industrial.
Quem banca tudo isso somos nós, os pagadores de impostos. O governo arrecada nosso dinheiro via impostos, repassa para os bancos estatais, e estes então emprestam esse dinheiro — a juros abaixo da SELIC — para empreiteiras, para compradores de imóveis, para o setor industrial etc.
Ou seja, aquela linha vermelha não obedece a variações na SELIC. (Veja aqui nesta tabela os valores dos juros. Bem abaixo da SELIC.)
Repare também que, no período de 2008 a 2014, os bancos estatais jogaram nada menos que um trilhão e 300 bilhões de reais na economia. Só os bancos estatais.
credito1.png
Por fim, vale notar dois fenômenos:
1) O crédito dos bancos estatais, linha vermelha, começou a se acelerar a partir do final de 2008. Veja o crescimento exponencial. Ali foi o início da Nova Matriz Econômica. O uso dos bancos estatais é o principal pilar da "Nova Matriz Econômica".
2) O crédito no Brasil foi efetivamente estatizado a partir de 2013. O volume de crédito dos bancos estatais ultrapassou o dos bancos privados em 2013.
Tendo entendido isso, vejamos agora as trapalhadas feitas pelo governo.
As lambanças
O governo Dilma adotou três medidas que permitiram que esse aumento acelerado do crédito estatal pudesse se prolongar por muito tempo sem gerar um grande descontrole dos preços. 
Foram três medidas que possibilitaram que essa grande expansão do crédito não explodisse o IPCA.
1) A primeira medida foi boa. Ainda em 2012, o governo reduziu impostos e fez desonerações.
reducaoimpostos1.png
Reduzir impostos não necessariamente gera uma redução de preços, mas ajuda a evitar aumentos de preços. Se os empresários estão pagando menos imposto, sua margem de lucro aumenta. E aí a necessidade de aumentar preço diminui.

2) A segunda medida foi péssima. Também em 2012, o governo decidiu intervir no sistema elétrico. Por decreto, ele revogou os contratos das empresas de geração e transmissão de energia.
energia.png
O objetivo era fazer novos contratos impondo tarifas menores. Com isso, os preços das tarifas caíram e, aí sim, jogaram para baixo o IPCA. O IPCA começou a apresentar uma inflação de preços menor. (Isso será mostrado mais abaixo).

3) Já a terceira medida começou há mais tempo: a partir de 2011, o governo obrigou a Petrobras a vender para as distribuidoras gasolina e diesel abaixo do preço pelo qual foram importados. 
Eis uma notícia da época.
petro.png
Consequentemente, os preços da gasolina e do diesel, que são um dos principais componentes dos índices de inflação, ficaram praticamente congelados de 2011 a 2014.
Inflação de preços artificialmente controlada
Essas três medidas seguraram artificialmente o IPCA. E permitiram que a expansão do crédito continuasse por um período de tempo bem prolongado. De novo, veja como o crédito estatal cresce exponencialmente até 2014.
credito1.png
E sem gerar uma inflação de preços excessivamente alta.
No gráfico abaixo, a taxa de inflação dos preços livres e dos preços controlados de 2004 até o final de 2014.
preços.png
Os preços livres, linha azul, são os preços determinados livremente pelo mercado: alimentos; artigos de limpeza, higiene e beleza; móveis; utensílios domésticos; equipamentos eletro-eletrônicos; produtos de cama/mesa/banho; bebidas; roupas; cursos; produtos in natura; consertos domésticos; conserto de carro; lavagem de carro; estacionamento; recreação e cultura; dentistas e todos os tipos de serviços pessoais.
Já os preços controlados, linha vermelha, são os preços administrados diretamente pelo governo: combustíveis, energia elétrica, gás de bujão, pedágio, taxa de água e esgoto, planos de saúde, tarifas de celular e de telefonia fixa, remédios e outros produtos farmacêuticos, licenciamento etc.
Observe que, com aquelas medidas adotadas, o governo consegue, a partir de 2011, derrubar a inflação dos preços controlados aos menores níveis em uma década.
Repare também que, em 2012, ele consegue reduzir a inflação dos preços livres por causa daquela redução de impostos. É verdade que os preços livres voltaram a subir em 2013, mas, em compensação, a inflação dos preços controlados foi, naquele ano, a menor em mais de uma década.
Ou seja, o IPCA foi segurado.
Essa política de controle de preços permitiu que o crédito estatal continuasse crescendo aceleradamente até o final de 2014. E isso permitiu que a renda e o emprego continuassem aumentando — ainda que cada vez menos.
E garantiu a reeleição (apertada) de Dilma Rousseff.
O inevitável ajuste
Só que a economia não leva desaforos. Nenhum esquema artificial pode se prolongar para sempre.
A economia sempre acaba se ajustando, por bem ou por mal. E, quanto maiores e mais prolongados forem os desarranjos, mais brutal será o reajuste. Sempre.
O que aconteceu imediatamente após a reeleição de Dilma em outubro de 2014? Com o governo já reeleito, objetivo garantido, a própria equipe econômica começou a fazer o inevitável: o ajuste.
E o governo tinha de fazer um ajuste porque tudo estava desarrumado.
a) Para começar, o governo tinha de aumentar aqueles impostos que ele diminuiu porque ele estava fechando o ano com déficit primário, algo que não acontecia desde a década de 1990.
b) Ele também tinha de aumentar o preço da gasolina porque a Petrobras estava descapitalizada por causa dos preços congelados. Eis uma notícia do início de 2015.
petro1.png
O capital da Petrobras foi dizimado porque a política era importar gasolina e diesel caros e revender barato.
(Como curiosidade, este valor de R$ 60 bilhões é muito maior do que todos os desvios da corrupção na Petrobras, que são estimados em R$ 40 bilhões).
Até o próprio chefe reconheceu o erro.
petrolula.png

c) Finalmente, o governo tinha de aumentar as tarifas de energia elétrica porque as distribuidoras estavam indo à falência.
Só para relembrar, o governo havia revogado os contratos das empresas de geração e transmissão de energia. Isso obrigou as distribuidoras a recorrer ao mercado de curto prazo, onde a energia é bem mais cara. Consequentemente, as distribuidoras tinham de comprar caro e revender barato, porque o preço da revenda estava congelado pelo governo.
Consequentemente, elas ficaram insolventes. E o Tesouro, àquela época, já as estava socorrendo com o nosso dinheiro.
distribuidoras.png
Mas de nada adiantou.
setoreletrico.png

Ou seja, estava tudo desarrumado e o governo tinha de liberar os preços e fazer um ajuste.

A explosão
Imediatamente após a reeleição de Dilma, o Banco Central começou a subir a SELIC.
bceleva1.png
Óbvio. Ele sabia que os preços estavam prestes a ser corrigidos.
E como foi essa correção dos preços? Uma carnificina.
Abaixo, o gráfico da taxa de inflação dos preços livre (azul) e controlados (vermelha).
preços2.png
Tão logo os preços foram liberados e corrigidos, houve o inevitável: a correção dos preços represados virou uma explosão.
Observe o reajuste dos preços controlados. Na média, eles chegam a aumentar 18% só em 2015.
Conta de luz chegou a subir 80% em algumas cidades. Os combustíveis, entre 25 e 50%, dependendo da localidade.
Quando os preços da gasolina, da energia elétrica e do gás disparam, os custos operacionais da indústria, do comércio e dos serviços aumentam. Consequentemente, todos tendem a repassar esse aumento para os preços.
Veja no gráfico acima o comportamento dos preços livres. Embora eles tenham subido menos que os preços controlados, ainda assim apresentaram a maior taxa de aumento desde 2004. Quase 9%.
Também em 2015 houve uma forte desvalorização cambial. O dólar pulou de 2,50 pra 4,20 em 2015. Isso pressionou ainda mais os preços livres.
historical.png
O Banco Central que ninguém levava a sério
Com essa disparada geral de preços, o Banco Central agiu exatamente como determina o seu mandato: se os preços sobem, ele eleva a taxa básica de juros. Ato contínuo, a instituição foi elevando a SELIC até chegar a 14,25%, em julho de 2015.
atacopom.png
E aí aconteceu a segunda lambança.
Sim, o Banco Central fez exatamente o que era esperado dele. Era o que ele tinha de fazer.
O problema é que aquela diretoria específica do Banco Central, sob o comando do senhor Alexandre Tombini,
Tombini foto marcelo camargo abr(1).jpg
não tinha mais nenhuma credibilidade perante os formadores de preço.
Tombini6.png
Todos os agentes da economia já haviam percebido que aquele Banco Central não tinha e nem nunca teve nenhum compromisso com uma inflação de preços baixa.
Tombini3.png
Desde janeiro de 2011, quando Tombini foi empossado, a meta de inflação de 4,50% nunca havia sido cumprida.
Todos os agentes econômicos formadores de preços já haviam percebido que aquele Banco Central na verdade perseguia o teto da meta (que é 6,50%) e nunca o centro da meta, e todos já haviam percebido que a instituição não tinha nenhuma autonomia. Apenas seguia ordens políticas.
tombinidilma.jpeg
Consequentemente, com esse histórico, ninguém levou a sério os aumentos da SELIC. Ninguém acreditou que "ah, agora o Banco Central finalmente vai começar a combater a inflação!".
No fundo, era tudo uma questão de "expectativas deterioradas": dado que as pessoas passaram os últimos 5 anos convivendo com uma inflação de preços constantemente acima da meta, elas simplesmente incorporaram aquilo como um dado da realidade, e passaram a agir como se a inflação de preços fosse continuar permanentemente alta no futuro. Acrescente a isso a disparada dos preços controlados, e você tem a tempestade perfeita.
Consequentemente, todos seguiram reajustando seus preços normalmente, ignorando o aumento da SELIC. Dentistas, encanadores, advogados, mecânicos, indústrias, comércio e serviços — todos incorporaram essa expectativa de que a inflação de preços continuaria alta no futuro, independentemente dos juros. Consequentemente, reajustaram seus preços baseando-se nessas expectativas. 
Trata-se de um processo meramente defensivo, por meio do qual as pessoas tentam preservar sua renda real.
Veja de novo o gráfico da taxa de inflação dos preços livres.
preçoslivres.png
Maior crescimento em mais de uma década. Quase 9% ao ano.
Esse é o problema quando se tem um Banco Central sem credibilidade. Se ninguém mais acredita na seriedade de seus membros e em seus métodos, todos seguem reajustando preços normalmente.
O dinheiro sumiu
Mas aí aconteceu o inevitável.
Com a elevação da SELIC para 14,25% — o maior nível desde 2006 —, com os preços em forte alta, com a elevação dos impostos, com o acentuado desequilíbrio orçamentário do governo federal, e com uma economia que já estava em recessão desde 2014 (e com claros sinais de deterioração), os "donos do dinheiro" foram buscar abrigo em aplicações financeiras.
Foi a chamada "fuga para a segurança". Quem tinha dinheiro decidiu protegê-lo da forma menos arriscada possível.
Os empreendedores, por exemplo, tiraram seu dinheiro dos investimentos produtivos e foram para a renda fixa.
O gráfico a seguir mostra a evolução da quantidade de dinheiro nas contas-correntes dos bancos. Essa modalidade é importante porque mostra a quantidade de dinheiro prontamente disponível para empresas consumirem e investirem. Como se trata de uma aplicação que não paga juros, o dinheiro em conta-corrente representa aquele dinheiro que está sendo continuamente transacionado na economia. 
cc.png
Dinheiro na conta-corrente, vale repetir para ressaltar, é aquele dinheiro de liquidez imediata, que não recebe juros e que está sendo diariamente transacionado na economia em montantes volumosos.
É o dinheiro realmente líquido.
No caso das empresas, dinheiro na conta-corrente é aquele dinheiro que elas usam para consumir, investir, contratar mão-de-obra e pagar salários. É o capital de giro.
Quando a quantidade deste dinheiro está crescendo, isso significa que as empresas estão com mais capital de giro e com mais dinheiro disponível para investir e ampliar sua capacidade produtiva. Significa também que suas receitas nominais são crescentes. Já quando esse dinheiro está diminuindo, isso significa que as empresas estão retirando dinheiro da conta-corrente e aplicando em outras modalidades, como CDB, fundos de investimento e títulos do Tesouro, para se aproveitar dos juros. Ou seja, não estão dispostas a investir na economia. 
Com a SELIC a 14,25% e com os preços ainda subindo aceleradamente, houve uma revoada. A queda na quantidade de dinheiro nas contas-correntes foi absolutamente sem precedentes. Foi uma queda de 18% em um ano.
Desde a criação do real em 1994, nunca tinha acontecido nem sequer queda, muito menos uma queda de 18%.
As pessoas e as empresas abriram mão da liquidez e levaram o dinheiro para aplicações financeiras que estavam pagando juros altos e que ao menos protegiam um pouco da inflação.
Para quais aplicações?
cewolf.png
A linha azul mostra as aplicações em fundos de investimento. A linha vermelha mostra as aplicações em CDBs, LCIs, LCAs, debêntures e Letras de Câmbio. E a linha verde mostra todos os títulos federais em posse de pessoas e empresas.
As pessoas saíram da liquidez e foram com força pra renda fixa. O movimento começou já em 2014, mas se intensificou em 2015.
Vale ressaltar que, embora nos outros anos também tenha havido grande expansão dessas aplicações, elas ocorriam em simultâneo a um aumento nas contas-correntes, o que significa que a quantidade de dinheiro aumentava como um todo. Em 2015, não.
A quantidade de dinheiro líquido na economia desabou em 2015. Uma queda na liquidez dessa magnitude nunca houve. O volume de dinheiro líquido regrediu ao mesmo nível do início de 2010. Regredimos 7 anos.
cc.png
No caso de empreendedores, dinheiro que seria direcionado para investimentos produtivos e para a contratação de mão-de-obra foi simplesmente direcionado a aplicações financeiras. Óbvio. Quem não fizesse isso teria seu poder de compra destruído pela inflação.
A própria caderneta de poupança também registrou contração. Vinha crescendo forte, parou de crescer em 2015 e começou a encolher.
poupanca.png
Ou seja, foi uma revoada geral. Todo mundo saiu da liquidez e foi se proteger em aplicações financeiras de maior rentabilidade e menor liquidez.
A recessão virou depressão
Então, esse era o cenário em 2015:
a) menos dinheiro voltado para investimentos produtivos, para a contratação de mão-de-obra, para salários e para consumo;
b) e preços ainda subindo forte, porque ninguém levava o Banco Central a sério.
Vale repetir: enquanto os preços subiam quase 11%, a quantidade de dinheiro líquido na economia encolhia 18%.
Menos dinheiro na economia e preços em alta.
Quais os resultados?
1) Queda na renda real das pessoas.
renda2015.png

E bem forte.
quedarenda11.png
De mais de 7%.
2) Queda forte nos investimentos.
Este gráfico mostra a Formação Bruta de Capital Fixo. Começou a cair no final de 2013, e desabou com força em 2015.
fbcf.png
Queda de 18% apenas em 2015.
3) E explosão do desemprego.
desemprego2015.png
4) Acrescente a esta mistura o fato de que as pessoas estavam endividadas em níveis recordes em decorrência de toda a expansão do crédito do período anterior.
endividamento.png
E tem-se um cenário de desespero geral. Preços em alta, dinheiro literalmente encolhendo, desemprego explodindo e dívidas.
E então aconteceu o inevitável:
5) Indústria com recorde de ociosidade.
industria.png
6) Comércio encolhendo.
shoppings.png
shoppings2.png
Shoppings com metade das lojas fechadas e shoppings recém-construídos às moscas.

7) E até mesmo os restaurantes, um setor geralmente blindado contra crises sofreu.
restaurantes2.png

Junto com os bares.
restaurantes.png

Controle de preços + expansão do crédito + Banco Central sem credibilidade = tragédia
Essa foi a tragédia gerada pelo intervencionismo do governo e por um Banco Central sem credibilidade.
Pra recapitular:
a) O governo controlou preços, mas continuou injetando dinheiro na economia via crédito estatal. A demanda crescia, mas os preços seguiam congelados.
b) Vários desajustes foram se acumulando.
c) Quando houve o ajuste, todos os preços explodiram.
d) O Banco Central teve de subir a SELIC a um valor muito alto para tentar conter essa inevitável explosão dos preços.
e) Mas os preços continuaram subindo mesmo assim, pois ninguém levava aquele Banco Central a sério.
f) Só que os juros já estavam altos o bastante pra reduzir a quantidade de liquidez na economia.
g) A quantidade de dinheiro líquido na economia desabou, mas os preços continuaram subindo.
Vale repetir: Enquanto os preços subiam 11%, a quantidade de dinheiro líquido na economia encolhia 18%.
Aquela sensação de falta de dinheiro e de queda na qualidade de vida das pessoas, principalmente dos mais pobres, era real. Passou a haver menos dinheiro para lidar com preços mais altos.
"O dinheiro tá curto!" era o que todos diziam. Eis a explicação.
Crise nos estados
Qual foi a outra consequência disso tudo? A crise financeira dos estados.
criseestados.png
Durante a época da expansão do crédito, ou seja, até 2014, a renda das pessoas crescia, os investimentos aumentavam e, principalmente, as receitas dos governos estaduais se expandiam.
Consequentemente, esses governos acreditaram que suas receitas futuras também iriam aumentar para sempre. Afinal, se aumentou continuamente no passado, vai continuar aumentando no futuro. Cabeça de político.
E então eles expandiram seus gastos, incharam sua folha de pagamento, e deram aumentos salariais sucessivos para o funcionalismo público.
estados.png
Mas aí aconteceu a recessão que virou depressão, houve a redução da quantidade de dinheiro na economia, e inevitavelmente a arrecadação dos governos desabou.
Governo só arrecada quando o dinheiro é transacionado continuamente. Se a liquidez cai, a arrecadação também cai. Há hoje menos dinheiro para os governos arrecadarem. Tanto é que seguidamente sai notícia de que a arrecadação caiu em relação ao ano anterior.
arrecadacao.png
Vale enfatizar: o atual desarranjo das contas dos governos é uma consequência direta dos aumentos de gastos feitos no passado.
Como há hoje menos dinheiro para os governos arrecadarem, tais aumentos de gastos não mais têm como ser financiados.
E ainda mais importante: dado este comportamento do dinheiro, aumentar impostos não adianta, não.
cc.png
A única solução para os governos estaduais é cortar gastos. Não há mágica. Se não cortar gastos a conta não vai fechar.
Troca de governo
Entremos agora em 2016. Mais especificamente, em maio de 2016.
O que houve naquele mês? Trocou-se o governo, trocou-se a equipe econômica, e trocou-se a diretoria do Banco Central.
equipeeconomica.jpeg
Em sentido horário: Henrique Meirelles, Ilan Goldfajn, Mansueto de Almeida e Maria Silvia Bastos Marques 
Com um Banco Central agora mais sério e com um Ministro da Fazenda com bem mais credibilidade (e que montou uma equipe exclusivamente técnica), a expectativa das pessoas quanto à inflação mudou. Os formadores de preços mudaram de atitude.
Para começar, o dólar caiu de R$ 4 pra R$ 3,15.
Os preços livres, que até então vinham sendo reajustado com intensidade, pararam de ser reajustados.
preçoslivres2.png
Hoje, a inflação dos preços livres é a menor desde o início de 2006.
Sim, é claro que toda aquela contração monetária ajudou, e muito, a conter o aumento dos preços. Mas a contração já existia desde o início de 2015.
Foi a troca da equipe econômica o que acelerou o processo de contenção de preços. Foi exatamente no meio do ano, tão logo houve a troca de governo e de equipe econômica, que os preços passaram a se estabilizar.
Este é um caso de mudança positiva de expectativas gerada por uma troca na equipe econômica.
O efeito não-premeditado e a segunda depressão
Mas aí aconteceu outro efeito não-previsto.
Com essa queda acentuada da inflação de preços, os juros reais dispararam. Por quê? Porque a SELIC continuou alta, mas a inflação de preços desabou.
Este gráfico mostra a evolução dos juros reais efetivamente praticados. Ou seja, é a taxa SELIC acumulada nos últimos 12 meses dividida pelo IPCA acumulado também nos últimos 12 meses.
jurosreais.png
Observe que, no início de 2016, ainda com Tombini no Banco Central e com a SELIC já em 14,25%, os juros reais estão em apenas 2%. Os juros reais estavam baixos porque a inflação de preços estava alta.
Com a troca de governo e de equipe econômica, a inflação de preços passa a desacelerar com força e, consequentemente, os juros reais disparam.
Atualmente, eles estão em 9%.
Ou seja, quem aplicou em papeis atrelados à SELIC ou ao CDI em maio de 2016 teve um rendimento bruto de 9% acima de inflação até abril de 2017.
E o que é mais interessante: mesmo com as recentes reduções na SELIC (que já caiu de 14,25% para 11,25%), os juros reais continuaram aumentando. Porque a SELIC caiu, mas a inflação de preços caiu muito mais.
(O gráfico acima, inclusive, mostra por que ainda há muito espaço para grandes reduções na SELIC sem nenhum susto).
O problema disso tudo é que juros reais em ascensão são grandes inibidores de investimentos produtivos. Afinal, se você consegue ganhar 9% acima da inflação, e sem risco, por que você iria se aventurar no setor produtivo? Por que você iria colocar seu capital em risco produzindo coisas para as quais você não sabe se haverá demanda e contratando mão-de-obra que pode lhe trazer dor de cabeça e processos trabalhistas?
Mais ainda: se você consegue 9% de ganho real sem risco, e o cenário político está uma zorra, como foi em 2016, então não há dúvidas: a opção racional é realmente tirar seu dinheiro do setor produtivo, ir pra renda fixa, e esperar.
Consequência de tudo isso?
Voltemos ao gráfico da expansão do crédito, agora atualizado para o fim de 2016.
credito2.png
Observe que, em 2016, tanto o crédito privado quanto o crédito estatal estão em contração.
O crédito privado, que ficou estagnado em 2015, se retraiu em 2016 porque a SELIC e os juros reais continuavam altos e por causa do cenário político.
Já o crédito estatal — que não reage à SELIC — encolheu por vários motivos. O BNDES, agora sob o comando de Maria Silvia Bastos Marques (de quem Joesley Batista reclamou, o que é um ótimo sinal), suspendeu novos empréstimos por causa da Lava-Jato. Já Caixa e Banco do Brasil estavam com os balancetes em frangalhos por causa de pedaladas fiscais e dos vários calotes que levaram.
O fato é que ambas as modalidades de crédito entraram em contração. Isso foi um fenômeno inédito. Nunca tinha acontecido na história do real.
As pessoas e as empresas não só não estavam pegando empréstimos como ainda estavam tentando quitar os empréstimos pendentes.
Essa grande contração monetária (iniciada em 2015) e do crédito (em 2016) gerou a atual queda (forte) da inflação de preços.
E gerou também o segundo ano da depressão econômica.
O que nos leva ao último ponto.
A crise política
Eis o que realmente agravou tudo, aumentando as incertezas e travando toda a economia: a crise política.
Estamos hoje vivendo uma grande crise política e uma enorme incerteza jurídica. E, de novo, nada ilustra isso melhor do que esse gráfico dos investimentos (formação bruta de capital fixo).
fbcf.png
Do terceiro trimestre de 2013 até o final de 2016, os investimentos encolheram 30%.
Não há crescimento econômico sem investimentos. Não há empregos sem investimentos.
E investimentos só ocorrem quando o ambiente econômico e político do país é propício.
Mas se o próprio estado cria um ambiente de incerteza econômica, política, institucional e jurídica, então os investimentos não ocorrem. Quem seria louco para se arriscar?
E aí a economia só encolhe.
Conclusão
Tudo isso começou com um controle de preços em conjunto com uma grande expansão do crédito dos bancos estatais.
Isso criou desarranjos que tiveram de ser corrigidos. E, quando foram corrigidos, a situação se agravou. Para completar, veio a crise política, que se intensificou agora em 2017, e acabou por enterrar de vez as perspectivas de retomada da economia.
Que fique a lição: nenhuma intervenção do estado na economia passa impune. A economia não é algo que possa ser dirigido desde cima por iluminados bem-intencionados.
A economia é uma interação diária de milhões indivíduos. Querer manipular essas interações com decretos e controles de preços não tem como dar certo. Nunca deu certo em lugar nenhum do mundo.
E, no final, economia sempre se ajusta. A intensidade do ajuste vai depender da intensidade da intervenção. O governo brincou de microgerenciar a economia desde 2009, e de maneira cada vez mais intensa. As consequências estão aí.
E, quando você considera que o grande chefe e principal mentor de tudo isso tem reais chances de voltar ao poder em 2019, e ele vai voltar espumando de raiva — já até avisou que vai "mandar prender" quem falar mal dele —, bom, aí quem vai ser o louco de investir e gerar empregos nesse país?
Até lá, vamos ficar em suspense, e em suspenso. 

Fonte: mises.org.br
Como o governo brasileiro transformou uma recessão em uma profunda depressão Reviewed by DestakNews Brasil on 10:48 Rating: 5
Postar um comentário
DESNEWS

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.