AnuncioTop

Ultimas Notícias

recent

A falsa “greve geral” mostra como a esquerda não passa de uma guerrilha

04/05/2017
Imagine que um partido liberal tivesse ocupado o poder por mais de 13 anos.

“Greve geral” contra a prisão de Lula? Pois é.

Imagine que a primeira metade desse período tivesse sido marcada por um excepcional cenário econômico internacional, com o preço das commodities nas alturas e os países mais importantes do mundo comprando tudo do Brasil.
Imagine que nos oito primeiros anos desse governo o PIB brasileiro tivesse sido quintuplicado, mas que, ao invés de promover grandes avanços sociais, econômicos e logísticos, esse governo liberal tivesse roubado tão desvairadamente que afundasse o Brasil na mais profunda recessão de sua história.
Por fim, imagine que o povo, farto, pressionasse o Congresso para afastar e destituir quem comandava o país.
Creio que não seja muito difícil imaginar que os líderes desse hipotético governo seriam banidos do cenário político nacional, rejeitados pela população, ignorados pela imprensa e odiados por “intelectuais”, artistas, estudantes, sindicalistas e ativistas “sociais”.
Não haveria ninguém nas ruas exaltando-os como heróis. Ninguém estaria interessado em ouvir deles as soluções para o Brasil. Todos exigiriam mil anos de prisão para cada um.
Na vida real, Lula e Dilma lideraram um esquema de corrupção de proporções nunca antes vistas, que aliado às políticas econômicas intervencionistas, levou o país à mais profunda recessão da história. A despeito disso, continuam sendo tratados como heróis. Lula foi desmascarado como o grande chefe de uma organização criminosa e ainda é apontado como a solução para o Brasil.
O PT, que sempre acusou a oposição que querer privatizar as estatais, privatizou o governo federal trazendo como sócios uma dúzia de empresários corporativistas. A despeito disso, o partido ainda conta com militantes − assumidos ou não − que o enxergam como um partido voltado para os “interesses dos trabalhadores”.
Os mesmos “intelectuais”, artistas, estudantes, sindicalistas e ativistas “sociais” que não tolerariam mínimos desvios de políticos liberais, relevam todos os prejuízos, todos os crimes e todos os absurdos promovidos por Lula e Dilma, afinal, os dois representam o movimento socialista brasileiro.
A falsa “greve geral” organizada pela CUT – digo, pelo PT – torna isso muito evidente.
A militância do partido responsável pela degradação institucional e econômica brasileira está nas ruas e nas redes sociais dizendo que o presidente há menos de um ano no cargo é o responsável pela recessão, pelo desemprego, pela expansão da pobreza e pela péssima qualidade dos serviços estatais. Como se fosse pouco, sabota todas as reformas que tentam reconstruir o que Lula e Dilma destruíram.
Por muito menos, Fernando Collor foi enxotado da presidência. Foi eleito por pouco mais da metade dos eleitores brasileiros, mas, dois anos depois, a quase totalidade deles estava na rua pedindo seu afastamento. Ninguém gritou que ele foi vítima de um “golpe”.
A sociedade brasileira precisa aprender que a esquerda é muito mais do que uma dúzia de partidos e lideranças unidas por ideias “bonitinhas”. A esquerda é uma guerrilha com centenas de milhares de soldados entrincheirados em universidades, sindicatos, jornais, palcos, Internet, movimentos disso e daquilo, sempre em prontidão para sair em defesa de seus líderes e/ou em ataque aos que ousam pensar diferente deles.
Eleger um político de esquerda é conceder poder à essa guerrilha, que ganha mais voz, mais espaço, mais proteção, mais dinheiro e cargos no governo.
Qualquer outro político que cometesse 10% dos crimes de Lula e Dilma já estaria, no mínimo, no hall das personalidades mais odiadas do Brasil. Mas Lula é do PT e o PT é de esquerda. E o PT é a representação política dos hipócritas de classe média que têm no socialismo um fetiche existencial. Eles negam, mas sofrem por Lula. Sofrem por Dilma. A falsa “greve geral” é, antes de tudo, uma demonstração da força do grito, da intimidação, da sabotagem e da demagogia – o que a esquerda faz de melhor.

Fonte: Ilisp
A falsa “greve geral” mostra como a esquerda não passa de uma guerrilha Reviewed by DestakNews Brasil on 01:46 Rating: 5
Postar um comentário
DESNEWS

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.