Com os 2 a 1 sobre o Atlético, neste sábado (1), no Mineirão, o técnico Mano Menezes manteve a sua invencibilidade nos clássicos mineiros dirigindo o Cruzeiro.

Hoje em Dia


 Em seis partidas disputadas, ele soma quatro vitórias, três este ano, e dois empates.
Na reta final do Campeonato Mineiro, manter este retrospecto será fundamental para Mano Menezes, pois tudo caminha para que o Cruzeiro tenha o América como adversário nas semifinais. Se passar pelo Coelho, pode disputar a final contra o Atlético.
Este ano, antes dos 2 a 1 sobre o Atlético, ele já tinha vencido o América, em 12 de março, no Independência, por 1 a 0, e o Galo, pelo mesmo placar, em 1º de fevereiro, pela Primeira Liga.
O JOGO
Mano Menezes comemorou principalmente o fato de seu time ter dado poucas chances para o Atlético incomodar o goleiro Rafael, o que para ele é um grande mérito diante de um adversário de alto nível.

A pressão que sua equipe sofreu na reta final do clássico, após o volante Elias diminuir o placar aos 38 minutos do segundo tempo, não pode ser encarada como uma falha, segundo Mano Menezes.
"A gente não pode analisar o jogo pela exceção. Tirar dez minutos de um jogo de 90 minutos para fazer uma a análise seria uma injustiça. Eu não farei isso com minha equipe. O adversário não tinha outra alternativa a não ser fazer o que fez, ao colocar um jogador de área", analisou Mano.
Na próxima terça-feira, o Cruzeiro estreia na Copa Sul-Americana recebendo o Nacional, do Paraguai, às 21h45, no Mineirão. Nesta partida, ele seguirá sem contar com o atacante Alisson, com um edema na coxa.

Pelo Campeonato Mineiro, a Raposa volta a campo no próximo domingo, quando recebe o Democrata-GV, às 16h, no Mineirão, pela última rodada. A partida é praticamente amistosa para o Cruzeiro, que já tem o segundo lugar assegurado. Por isso, a tendência é que Mano Menezes mande a campo um time reserva.