AnuncioTop

Ultimas Notícias

recent

'Maior humilhação da minha vida', diz Bim da Ambulância após prisão

29/01/2017

Vereador de Belo Horizonte foi detido na última sexta-feira (27) pela Polícia Civil do Espírito Santo depois de pousar helicóptero em praia de Guarapari

O Tempo

Vereador de BH pousou helicóptero particular em praia de Guarapari 
 
“Foi a maior humilhação da minha vida. Sou um político de conduta íntegra e fiquei preso injustamente ao lado de um traficante e um estelionatário. Não desejo isso nem ao meu pior inimigo”. Assim desabafou o vereador Rubens Gonçalves de Brito, o Bim da Ambulância (PSDB), de Belo Horizonte, que foi preso na última sexta-feira (27), em Guarapari, no Espírito Santo, depois de pousar um helicóptero que pilotava na praia de Bacutia.
O vereador deixou o Centro de Detenção Provisória de Viana, que fica a 45 quilômetros de Guarapari, na noite desse sábado (28), ao receber um alvará de soltura da Justiça Federal. No fim da tarde deste domingo (29), já a caminho da capital mineira, ele contou à reportagem de O Tempo como foi o momento da prisão, a noite que passou em uma cela da 5ª Delegacia Regional de Guarapari e seu convívio com outros detentos até o momento da soltura.

Leia a entrevista:

Reportagem: A justificativa da prisão feita pela Polícia Civil era a de que ao pousar um helicóptero na praia sem qualquer pane ou motivo justificável o senhor colocou a vida de outras pessoas em risco e a própria segurança da aeronave. O senhor pensou nisso quando resolveu fazer o pouso?
Bim da Ambulância: “Eu me certifiquei de que não havia ninguém na praia. Não havia aglomeração de pessoas. Quando eu cheguei não tinha ninguém. Além disso, no momento do pouso, não sobrevoei as casas da região, nem barcos e muito menos pessoas. A aproximação foi padrão. Não coloquei ninguém em risco”.

De quem era a aeronave e quando o senhor completou o curso de piloto privado de helicóptero?

“Um amigo meu, que estava comigo no Espírito Santo, alugou esse helicóptero de uma empresa lá de São Paulo. Pagamos o aluguel por hora de voo. Eu teria que devolvê-la no sábado, às 19h, mas ela estava apreendida. Agora, com a decisão da Justiça, já liberaram a aeronave. Meu brevê saiu no dia 22 de junho do ano passado”.

Como aconteceu a prisão?
“Minha esposa, minhas duas filhas e um amigo já estavam na praia me esperando em uma barraca de lanches. Quando eu pousei, uma senhora implicou e disse que eu deveria tirar aquele helicóptero dali. Eu falei para ela que só iria almoçar com a minha família e que logo retiraria a aeronave do local. No entanto, uma viatura da Polícia Militar (PM) passou por ali e ela chamou os militares para fazer uma ocorrência”.

Então antes da denúncia da mulher, os policiais não se importaram com o helicóptero na praia?

“Eles estavam só passando. Ela (senhora) que implicou. Os militares queriam passar a ocorrência para a Polícia Federal e fizeram contato com a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Eles viram que a aeronave estava regular e o plano de voo foi traçado certinho. A própria Anac informou aos policiais que não havia necessidade de apreensão do helicóptero e muito menos de minha prisão”.


Como a Polícia Civil se envolveu no caso? O boletim de ocorrência diz que dois delegados foram até o local para resolver a situação.
“Não havia crime. Mas os militares, não satisfeitos, fizeram a ocorrência e chamaram dois delegados de plantão. Eles exigiram a retirada da aeronave. Eu comuniquei a Anac e fiz todo um plano de voo para o meu retorno até o aeroporto em Guarapari. Na delegacia, prestei todas as informações necessárias e eles perceberam que os documentos estavam todos em dia. Tudo pago e regularizado”.
Nesse momento o senhor já sabia que seria preso?
“Não sabia qual o procedimento deles. Não me falaram nada. Eles simplesmente arrumaram dois artigos e disseram que eu teria infringido a lei. Não tem cabimento terem me 'enquadrado'. Eles simplesmente pediram para que eu solicitasse roupas para minha família, que ficou na praia, me algemaram e me levaram para um cela. Só saí de lá para fazer o exame de corpo de delito. Entrei numa viatura com mais quatro detentos. Eram dois presos por tráfico de drogas, um suposto usuário e um assaltante. Fiquei espremido na parte de trás da viatura com eles. Foi a sensação mais horrível do planeta”.
Quando o senhor foi levado para a penitenciária?
“Eu dormi em uma cela da delegacia na sexta-feira. No sábado me levaram para um presídio no Espírito Santo. Nem lembro qual era. Passa muita coisa na cabeça. Eu só me preocupava com a minha família. Chegando lá, os agentes me conduziram até um pavilhão onde acontece a convivência com os outros presidiários. Fiquei ao lado de todos os bandidos e comecei a conversar com eles para saber pelo que eu passaria”.
O senhor contou aos presidiários que é vereador em BH?
“Eu só falei que era piloto de um helicóptero. Mas todos eles já sabiam da história. Diziam que eu era o vereador que pousou na praia. Sofri um pouco de retaliação no começo. O ambiente da cadeia é horrível. Foi a maior humilhação da minha vida. Sou um político de conduta íntegra e fiquei preso injustamente ao lado de um traficante e um estelionatário. Não desejo isso nem ao meu pior inimigo”.
Que tipo de retaliação?
“Foram comentários por eu ser vereador. Mas eu contei minha história de vida. Falei para eles dos planos como político para ajudar a cidade. Eles perguntaram sobre o meu salário e contei a eles que o utilizo em diversos projetos sociais. Falei que o helicóptero era alugado. Eles viram que não sou um vereador ostentação. A turma acabou me respeitando bastante”.
Como era a sua cela?
“Não tinha luz, o vaso sanitário era dentro da cela. Estava lá com mais dois sujeitos. Eles começaram a me ensinar as regras da cadeia, questão de banho e alimentação. Jantei numa caneca de água. Arroz com feijão, pedaço de carne com tomate e abóbora. Tudo misturado. A sensação de comer assim é a mesma de tomar sorvete, eu raspava a comida com a colher".
O senhor imaginava que ficaria muito tempo preso? 
“Eu não sei até agora quantas horas fiquei naquele presídio. Passa um filme na sua cabeça. Você não sabe o que está acontecendo lá fora. Não sabia se minha família ou meu advogado estavam conseguindo resolver a situação. Poderia ficar ali por mais tempo, não sei quanto. Eu fiz minha faculdade, nunca tive uma ocorrência em minha vida inteira. Eu fiz um pouso com segurança e estava preso por isso. Mas os delegados não queriam sabe disso. Me prendaram injustamente”.
Como foi sua saída da penitenciária?
“Eu não dormi lá. Foi um alívio. Quando chegou a noite bateu uma 'deprê' violenta. Mas o juiz deu a sentença pela ilegalidade da conduta dos delegados e fui solto. Minha mãe já me esperava do lado de fora”.
Como o senhor acredita que a repercussão desse caso vai impactar os seus eleitores e toda a população belo-horizontina?
“Eu vou continuar com a cabeça erguida, pois sempre caminhei pela honestidade. Vou continuar com a mesma lealdade para com o povo e para com o meu projeto de fazer uma cidade melhor. Não vai ser uma prisão injusta que vai desconstruir toda a minha carreira e formação. Os oportunistas aparecerão para críticas. Mas a oposição sobrevive de inverdades. Logo a verdade vai ficar clara para todos”.
 

Publicidade:

 

'Maior humilhação da minha vida', diz Bim da Ambulância após prisão Reviewed by DestakNews Brasil on 21:07 Rating: 5
Postar um comentário
DESNEWS

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Tecnologia do Blogger.