Em dezembro de 2015, Rafael Moura acertava a saída do Internacional para voltar a Belo Horizonte e defender novamente o Atlético, que o revelou. O plano de He-Man, entretanto, foi alvo de ume reviravolta e teve de ser adiado por um ano. Agora, em 2017, ele estará na equipe atleticana que se reapresenta no dia 7 de janeiro.
Aos 33 anos, o atacante foi barrado pela comissão técnica de Diego Aguirre quando o uruguaio também chegou ao Galo no fim de 2015. Problemas passados no Colorado impediram que eles trabalhassem juntos novamente. Rafael, que havia fechado com o Galo antes do técnico, teve de ser repassado ao Figueirense (juntamente com Dodô, na negociação que trouxe Clayton a BH). 
No Figueira, o atacante acumulou gols ma somou  mais um rebaixamento no currículo. Agora, ele será mais uma opção ofensiva para Roger Machado, que já conta com Fred, Carlos e Lucas Pratto. Carlos, inclusive, deve fazer o papel de moeda de troca no interesse do Galo em contar com o volante Rithely, e não mais Rafael Moura. 
Rejeição cruzeirense
Criado nas categorias de base do Atlético, He-Man quase retornou ao futebol mineiro para defender o Cruzeiro. Ele foi cotado na Raposa para a temporada 2011, após uma temporada de sucesso pelo Goiás (artilheiro e vice-campeão da Sul-Americana). 

Entretanto, não vestiu azul pois foi preterido pelo então diretor de futebol Dimas Fonseca, que, à época, afirmou: "Rafael Moura não é jogador para o Cruzeiro".