Marido de mulher encontrada morta em Itaúna é preso suspeito do crime

Corpo da vítima estava dentro do próprio carro às margens da MG-050.
Investigações apontam que ela foi morta esganada, diz delegado.

 (Foto Reprodução TV Candides)

O caso em Itaúna deixou de ser tratado como latrocínio, que é roubo seguido de morte e agora é tratado pela Polícia Civil como homicídio qualificado e fraude processual. A notícia da reviravolta no caso, foi confirmada ontem por volta de 23 horas. O fato foi repassado a imprensa por meio de nota da assessoria da Polícia civil do estado de Minas Gerais. 

A mulher estava desaparecida desde a noite de terça-feira (29), quando teria sido levada por assaltantes, levando a Polícia Civil a crer na possibilidade de extorsão mediante sequestro ou furto/roubo seguido de cárcere privado. No entanto, com o início das investigações, a Polícia Civil afastou a tese, devido a “circunstancias, provas materiais científica e depoimentos, vislumbrando-se a ocorrência de homicídio qualificado e crime de fraude processual.”

No decorrer da nota oficial enviada a imprensa, os delegados responsáveis pelo caso ainda afirmam:

“Ainda de acordo com a Polícia Civil, no decorrer das investigações, foi realizada a prisão de um suspeito. A delegacia de Itaúna informou ainda que novas informações serão divulgadas pelas assessoria de imprensa.”

Dênia Alves Silva Rodrigues, de 48 anos, foi encontrada morta dentro do carro que havia sumido da sua residência. Ela foi atingida pelo disparo de arma de fogo. A polícia acredita que a intenção era queimar o carro e o corpo. 

 
Fonte: Tv Candides