A mobilização de familiares e amigos da universitária mineira Laís Moreira Martins surtiu efeito e o corpo da jovem de 25 anos foi liberado para ser trazido de volta ao Brasil. Os restos mortais, porém, só devem chegar a Belo Horizonte na próxima semana.

Hoje em Dia
 
Laís Moreira Martins, de 25 anos, cursava medicina em Buenos Aires
 
A estudante, que cursava medicina em Buenos Aires, na Argentina, faleceu no último domingo (4) após sofrer duas paradas cardíacas. Depois do óbito, parentes foram informados de que o corpo só seria liberado após a conclusão de exames periciais, que poderiam demorar até 60 dias.
Inconformados com o prazo, familiares e amigos iniciaram campanha nas redes sociais para pressionar as autoridades argentinas e também exigir a colaboração do governo brasileiro. "Graças à mobilização conseguimos a liberação do corpo em um tempo recorde", contou o empresário José Giglio da Silva, padrasto de Laís.
Conforme ele, o Consulado do Brasil entrou em contato com a mãe da estudante nesta quarta-feira (7) e intermediou uma conversa com a embaixada da Argentina. O promotor e o juiz foram informados de que a mineira tinha deficiência imunológica e não possuía o baço. 
"Como o corpo de Laís não tinha sinal de violência, eles abriram mão dos exames toxicológico e histopatológico", explicou Giglio. Ainda conforme o empresário, o laudo relatório inicial da autópsia indicou que a universitária teve edema pulmonar e insuficiência renal.
Traslado
O padrasto da universitária disse que o corpo não será removido para a capital mineira nos próximos dias porque a Argentina está em feriado prolongado e os cartórios só irão abrir na próxima segunda-feira (12). Por isso, a expectativa é de que a certidão de óbito e outros documentos fiquem prontos em meados na semana que vem e que o corpo seja transportado para BH entre quinta (15) e sexta-feira (16).
Ao Hoje em Dia, o Ministério das Relações Exteriores garantiu que prestou todo o apoio aos parentes de Laís, "inclusive no que se refere à expedição de documentos (como certidão de óbito) junto às autoridades locais, levantamento de orçamentos junto a funerárias e outras providências relacionadas à agilização do translado do corpo".
O Itamaraty comunicou, porém, que não pode ajudar com os custos do traslado, já que "não existe previsão orçamentária ou legal para o custeio do translado de corpos de nacionais brasileiros falecidos no exterior". Na campanha realizada por meio da internet, contudo, os amigos da jovem conseguiram arrecadar aproximadamente R$ 30 mil para bancar com o traslado.
O anúncio da liberação do corpo aconteceu horas após colegas da mineira realizarem protesto em frente ao Consulado-Geral do Brasil na Argentina. 
Leia mais: Familiares e amigos de mineira morta na Argentina fazem protesto no consulado do Brasil Itamaraty diz não ter recursos para trazer corpo de estudante mineira de volta ao Brasil Traslado de mineira morta na Argentina agora depende de liberação do corpo Família faz campanha para traslado de estudante mineira morta na Argentina
Laís Moreira Martins
Os restos mortais da jovem devem chegar no Brasil entre quinta e sexta da semana que vem
O caso 
A estudante estava em Buenos Aires há dois anos para cursar medicina. Lá, ela dividia o apartamento com outras estudantes, que foram as responsáveis por fazerem os primeiros-socorros na mineira. 
De acordo com a família, a universitária começou a passar mal no sábado (3), sendo que na manhã do dia seguinte foi encaminhada ao Hospital Fernadez, onde deu entrada com dores no corpo, febre e manchas na pele. Na unidade de saúde, porém, ela sofreu duas paradas cardíacas, não resistiu e morreu.
Como a causa da morte não foi esclarecida, o corpo da jovem foi para o Morgue Judicial, uma espécie de Instituto Médico Legal (IML), sendo periciado.