Um veículo é roubado ou furtado por minuto no Brasil, aponta estudo

Em Minas Gerais, uma ocorrência desta natureza foi registrada a cada 13 minutos em 2015; Estado é o terceiro no ranking entre os entes da federação, atrás somente de São Paulo e Rio de Janeiro

O Tempo

A cada minuto e um segundo, um veículo foi furtado ou roubado no Brasil, aponta o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP) e divulgado nesta quinta-feira (3). Segundo o levantamento, 509.978 veículos foram perdidos no país durante o ano passado. Apesar disso, os dados mostram uma redução de 0,6% quando comparados a 2014.
Somente em Minas Gerais, foram 39.157 veículos furtados ou roubados em 2015, o que corresponde a um veículo a cada 13 minutos. O dado coloca o Estado na terceira colocação no ranking de ocorrências desta natureza, atrás somente de São Paulo e Rio de Janeiro. Em números absolutos, o ano passado registrou mais perdas que 2014, quando 35.876 veículos foram levados por criminosos. Segundo o levantamento, a cada 100 mil veículos, 396 foram perdidos em Minas em 2015.
“Os números chamam a atenção para o patamar de violência no país e a dificuldade de se encontrar soluções duradouras, além de colocar em cheque a nossa capacidade de enfrentá-la”, diz o diretor-presidente do FBSP Renato Sérgio de Lima, que destaca a necessidade de se repensar as investigações policiais. “No caso de furtos e roubos de veículos, não dá para falar de enfrentamento à violência se não falar das investigações. Os números mostram o quanto é necessário discutir as investigações no país”.
De acordo com Renato Lima, o modelo atual trata de cada furto ou roubo como um caso a parte quando poderia tratar os crimes de uma forma mais interligada. “Em vez de abrir um inquérito para um caso, pode-se pensar em fazer uma análise de investigações em termos de totalidade para conseguir identificar crimes com características semelhantes e, assim, identificar grupos organizados e receptadores de veículos”, explica.
Além disso, outra forma que Lima aponta para melhorar os índices no futuro é promover ações que garantam uma maior efetividade no registro de ocorrências e a redução da subnotificação. “No Sudeste, que registrou os maiores números, além da realidade de maior concentração demográfica,  as polícias tem uma maior capacidade de registro e iniciativas como delegacias eletrônicas”, diz Lima.
Em São Paulo, que contabiliza os maiores números relativos aos roubos e furtos de veículos no país, foi registrada uma queda nesta modalidade de crime entre 2014 e 2015. Foram pouco mais de 221 mil veículos perdidos em 2014 contra 189.349 no ano passado. O Rio de Janeiro, segundo colocado no ranking, também registrou um recuo semelhante, caindo de 50.336 veículos para 47.979. No entanto, ainda é cedo para se pensar em um cenário positivo.
“Se os números significarem uma queda efetiva nos próximos anos, a gente pode pensar que é uma boa notícia, mas considerando as dificuldades que vemos nas investigações hoje, podemos pensar também que essa redução se deve a nossa capacidade de registrar essas ocorrências estar ficando menor”, conta Renato Lima.

Outros dados levantados pelo Anuário Brasileiro de Segurança Pública apontam, entre outras coisas, que no Brasil cinco estupros ocorreram por hora no país e que mais pessoas foram assassinadas nos últimos cinco anos que o número registrado na Síria, que vive uma guerra civil desde 2011.