Tremor de 2.7 é registrado em área do Complexo de Germano em Mariana

Fenômeno provocado por fontes naturais, como informou Observatório Sismológico da UnB de Brasília foi registrado às 13h01 do dia 2 de novembro; mineradora informou que não ocorreram danos em função do abalo

O Tempo

Um tremor de terra de 2.7 na escala Richter, considerado de baixa magnitude, atingiu a área do Complexo de Germano, da Samarco, em Mariana, na região Central de Minas, três dias antes da tragédia do rompimento da barragem de Fundão completar um ano.
O fenômeno provocado por fontes naturais, como informou o Observatório Sismológico da UnB de Brasília, no Distrito Federal, foi registrado às 13h01 do dia 2 de novembro.
Conforme explicou a Samarco, assim que o acelerômetro - instrumento para medir detectar e medir vibrações - instalado na área das barragens apontou a ocorrência do abalo sísmico, como parte de seu protocolo de segurança, a empresa evacuou as área afetada por cerca de uma hora.
A mineradora ainda alegou que o tempo em que o local foi isolado é o necessário "estimado pela empresa para uma inspeção visual de todas as estruturas", ficando constatado que não houve carreamento de rejeitos. Após essa uma hora, os trabalhadores que estavam no local retomaram as atividades.
A Samarco ainda afirmou que a es "estruturas da área de barragens da Samarco são monitoradas em tempo integral e, além do acelerômetro, o monitoramento é feito também por meio de radares, via satélite, piezômetros e inclinômetros".
Balanço
Entre 11 de novembro de 2015 e 11 de novembro de 2016 -  foram registrados 120 tremores.
Entre 11 de novembro de 2014 e 11 de novembro de 2015 -  Foram registrados 76 eventos sísmicos no Estado.
Causas
Minas Gerais é um Estado que apresenta muitas falhas e elas seriam as principais responsáveis pelos tremores. "Estamos no meio de uma placa tectônica. Quando há um encontro entre as placas, um evento ocorre e um esforço é liberado. Isso causa os pequenos tremores, em alguns casos", explicou a geógrafa Eveline Sayão, também do Observatório Sismológico da UnB.