Tragédia aérea da Chapecoense destrói sonho de time que virou exemplo de sucesso


Da quarta divisão à elite do futebol brasileiro em apenas seis anos, a Chapecoense se tornou um símbolo de boa administração que se destacou em meio aos criticados dirigentes do futebol brasileiro, até ter sua trajetória de sucesso interrompida a um passo da glória por um acidente aéreo que dizimou o time.

Reuters

 
Fundada em 1973 na cidade de Chapecó, no interior de Santa Catarina, e principal símbolo do município agropecuário de cerca de 200 mil habitantes, a Chapecoense viajava para disputar a primeira final internacional da sua história quando caiu o avião que transportava o time na noite de segunda-feira na Colômbia, matando 76 das 81 pessoas a bordo.
Os goleiros Danilo Padilha e Jakson Follmann e o lateral Alan Ruschel são os jogadores sobreviventes. Entre os destaques do clube estavam o meio-campista Cléber Santana, ex-jogador do Atlético de Madri, e o técnico Caio Júnior, com passagem por diversos clubes do futebol brasileiro e também do exterior.
"É muito triste a notícia que recebemos hoje de manhã. Jamais iríamos esperar.... É uma notícia que não existe. Até agora não caiu a ficha", disse o vice-presidente da Chapecoense, Ivan Tozzo, em entrevista à TV com os olhos marejados, dentro da Arena Condá, estádio da Chapecoense que era uma das forças do time.
"É complicada a dor. Eu que estou há muito tempo envolvido na Chapecoense, sei o que passamos até aqui. Agora que chegamos, não vou dizer no auge, mas em destaque nacional, acontece uma tragédia dessa. É muito difícil, uma tragédia muito grande", acrescentou.
A Chapecoense esteve à beira da falência no início dos anos 2000, mas se reergueu com o investimento de empresários da cidade e conseguiu o acesso em 2009 da Série D para a Série C do Campeonato Brasileiro.
Após três temporadas na terceira divisão, o time conseguiu o acesso em 2012 da C para a B, e logo no ano seguinte chegou à primeira divisão, tendo como filosofia a organização administrativa, salários em dia e boa infraestrutura de trabalho.
Ao contrário do que se esperava para uma equipe sem tradição, a equipe se consolidou na elite do futebol nacional e, no ano passado, chegou às quartas de final da Copa Sul-Americana.

Na atual temporada o time vivia seu auge. Além do inédito 9º lugar no Campeonato Brasileiro a uma rodada do fim, a Chapecoense derrotou os gigantes argentinos Independiente e San Lorenzo na caminhada até a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, da Colômbia, em Medellín.
O último passo antes da glória, porém, foi interrompido pela tragédia aérea.
Diversos times do mundo manifestaram solidariedade à "Chape", como o time ficou conhecido pelo Twitter, entre eles Barcelona, Manchester United e Liverpool.
Jogadores do Barcelona prestaram homenagem realizando um minuto de silêncio antes do treino desta terça. "Todo nosso apoio e solidariedade estão com as vítimas e as famílias afetadas pela tragédia da Chapecoense na Colômbia", disse o Barça no Twitter.