Servidores da Segurança Pública fazem passeata e fecham Batalhão Rotam em BH

Mais de 500 servidores da segurança pública de Minas Gerais reuniram-se na tarde desta terça-feira, 8/11/2016, na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), quando realizaram ato público contra o Governo de Fernando Pimentel.
As principais reivindicações da categoria são: pagamento integral no 5º dia útil, a data-base e o pagamento do 13º salário. 

O Governo do Estado está parcelando, em três vezes, o salário de 157 mil servidores públicos, sendo cerca de 120 mil da segurança pública, desde janeiro deste ano.
Segundo o deputado Sargento Rodrigues, a situação do Governador vem se agravando diante das denúncias que o Benedito de Oliveira Rodrigues Neto, o Bené, fez em sua delação premiada. Rodrigues destacou, ainda, que Pimentel está sendo investigado em quatro inquéritos, sendo em um deles acusado por corrupção passiva e lavagem de dinheiro.
“O Ministério Público Federal e a Polícia Federal chamou o Governador de chefe de organização criminosa. Esse é um assunto que a população deve ficar atenta porque na ALMG pode ser votado, até dia 23, o pedido que vai autorizar ou não o STJ a processar o Fernando Pimentel. Por outro lado, o Governador insiste em não pagar o salário dos servidores, ele não fala absolutamente nada sobre o 13º salário e a data base. Essa falta de informação está levando a uma revolta geral. A polícia está dando passos largos para a paralisação no Estado de Minas Gerais”, ressaltou Sargento Rodrigues.
Na ocasião, os servidores deslocaram-se até o Batalhão Rotam, localizado na Avenida do Contorno, no Centro da Capital, quando fecharam o local, sem deixar viaturas e carros entrar e sair, como também conversaram sobre as novas estratégias que serão adotadas.