Operação conjunta prende 20 suspeitos de explosão de caixa eletrônico

Divulgação




Material apreendido


A Polícia Civil de Minas Gerais, em conjunto com a Polícia Federal, Polícia Militar e Polícia Rodoviária Federal, que formam a Força Integrada de Combate ao Crime Organizado (FICCO/MG), desencadeou, na manhã da terça-feira (29), a operação Dinamite, que culminou com a prisão de 20 pessoas ligadas a uma organização criminosa, especializada em explosões a caixas eletrônicos, sobretudo nos estados de Minas Gerais e Goiás.
                                                                                                                                    Divulgação

Explosivos apreendidos


Conforme explica o delegado Gustavo Henrique Ferraz, a organização criminosa era consideravelmente estruturada, especializada em explosões a caixas eletrônicos e dividida basicamente em dois  núcleos, sendo um núcleo executor e outro núcleo logístico.
                                                                                                                                

Nesse contexto, o núcleo executor era integrado pelos criminosos que participavam diretamente das explosões aos caixas eletrônicos, e o núcleo logístico era integrado por criminosos que prestavam apoio irrestrito ao núcleo executor, indo desde a ocultação de armamento e objetos ilícitos utilizados nos crimes, até eventual resgate e fuga.
                                                                                                                                     Divulgação

Material apreendido


Ainda durante as investigações, foi reunido um robusto material probatório que indica a participação direta dos integrantes do grupo em pelo menos sete eventos de explosão e/ou tentativa de explosão a caixas eletrônicos, nos municípios de Planura (MG), Sacramento (MG), Ipiaçu (MG), Três Marias (MG), Ipameri (GO), Rio Verde (GO) e Campo Alegre de Goiás (GO). Em três eventos ocorreu troca de tiros entre os integrantes do grupo e forças de segurança pública.

Ao longo das investigações foram apreendidas 15 armas de fogo, sendo uma submetralhadora; três espingardas cal. 12; seis pistolas de calibre restrito 9mm e .40, cinco revólveres, oito artefatos explosivos, diversos coletes balísticos, materiais comumente utilizados em explosões de caixas eletrônicos, além de quatro veículos produto de roubo.