Gol ilegal permite empate do Cruzeiro com o Santos e favorece Verdão

Placar igual no Mineirão deixa o Palmeiras ainda mais perto do título de campeão brasileiro

A Tribuna

O Peixe viajou para BH com a obrigação de trazer os três pontos, mas não conseguiu (Foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A.Press/Brazil)


Não é de hoje que o Cruzeiro gosta de estragar a festa santista. Em 1966, os mineiros bateram o Santos de Pelé nos dois jogos finais e impediram que o time alvinegro se sagrasse hexa campeão brasileiro. Ontem, a Raposa entrou em campo com uma camisa para lembrar aquela conquista e, novamente, frustrou os planos alvinegros.

Dono da terceira pior campanha no Brasileirão jogando em casa, o Cruzeiro empatou a partida aos 43 minutos do segundo tempo, o que praticamente acabou com as chances de título do Santos este ano e, de quebra, quase empurra o time para o terceiro lugar na tabela.

A diferença para o líder Palmeiras subiu de quatro para seis pontos, faltando duas rodadas para o fim, já que o alviverde venceu o Botafogo por 1 a 0. O Flamengo, por sua vez, deu adeus ao título ao ceder empate para o Coritiba, no Maracanã.

Este ano, o Santos deixou para trás a fama de “visitante bonzinho”. Em 2015, foi apenas uma vitória como visitante em todo o Brasileiro (justamente contra o Cruzeiro). Já em 2016, a equipe da Vila tem a terceira melhor campanha longe da Vila (24 pontos em 18 jogos).

Esses números poderiam ter ficado melhores não fosse o zagueiro Manuel, que no fim do jogo, depois de uma bola levantada na área, cabeceou para empatar a partida. Ele estava impedido.
“Já faz parte do futebol brasileiro os erros de arbitragem. Mas o que eu tenho para falar é que o time lutou bastante”, disse David Braz, depois do jogo.

O Santos começou a partida com posse de bola, do jeito que o técnico Dorival Junior gosta. Aos poucos, entretanto, o Cruzeiro dominou o jogo graças ao meia uruguaio Arrascaeta .
Em todo o primeiro tempo, Ricardo Oliveira esteve muito sumido. O goleiro Rafael não fez uma única grande defesa. Já Vanderlei, do Santos, trabalhou um bocado.

O grande lance do arqueiro aconteceu depois de Arrascaeta driblar, dentro da área, os zagueiros Fabián Noguera e David Braz e chutar forte. Quem viu o lance tinha a sensação de que a bola entraria.

Isso aconteceu pouco depois do Cruzeiro abrir o placar com o próprio Arrascaeta. Ele ganhou de Zeca pelo alto, teve a colaboração de Noguera e chutou cruzado.
Dorival Junior então teve uma atitude corajosa: ainda no primeiro tempo, tirou Noguera, recuou Thiago Maia para a zaga e colocou Léo Cittadini no meio de campo. Na prática, a coisa deu certo.

Contando com uma tremenda ajuda de Lucas Romero, Ricardo Oliveira pegou uma bola mal recuada e empatou. A virada veio em seguida. Lucas Romero fez pênalti em Copete. Ricardo Oliveira bateu e fez seu décimo gol no campeonato.

Já o gol de empate cruzeirense saiu quando o time estava com um a menos em campo, já que Arrascaeta havia sido expulso minutos antes. Mas o autor, Manoel, estava em posição irregular e a arbitragem ignorou.
FICHA TÉCNICA:

CRUZEIRO 2 X 2 SANTOS

CRUZEIRO - Rafael; Lucas Romero, Manoel, Léo e Bryan; Henrique, Ariel Cabral (Bruno Nazário) e Robinho (Marcus Vinícius); Arrascaeta, Alisson e Willian (Ábila). Técnico: Mano Menezes.

SANTOS - Vanderlei; Victor Ferraz, Fabián Noguera (Léo Cittadini), David Braz e Zeca; Thiago Maia (Jean Mota), Renato e Lucas Lima; Vitor Bueno (Lucas Veríssimo), Copete e Ricardo Oliveira. Técnico: Dorival Júnior.

GOLS - Arrascaeta, aos 22 minutos do primeiro tempo; Ricardo Oliveira, aos 2, e aos 16, e Manoel, aos 44 minutos do segundo tempo.

ÁRBITRO - Heber Roberto Lopes - SC (FIFA).

CARTÕES AMARELOS - Lucas Lima, Vanderlei e Jean Mota (Santos); Henrique, Lucas Romero e Alisson (Cruzeiro).

CARTÃO VERMELHO - Arrascaeta.

RENDA e PÚBLICO - Não disponíveis.

LOCAL - Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).