Ex-governador do Rio Sérgio Cabral é preso por suspeita de fraudes milionárias

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta quinta-feira o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, como parte de uma operação contra uma "organização criminosa" que teria desviado 220 milhões de reais de obras públicas.

AFP


AFP / YASUYOSHI CHIBA/ (2014) Sérgio Cabral (e) e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, na cerimônia de inauguração da linha de BRT Transcarioca
 
Um total de 230 agentes cumpriam desde as primeiras horas da manhã 38 mandatos de busca e apreensão, incluindo a prisão de um ex-governador do Rio de Janeiro e de outras sete pessoas, informou a PF.
Cabral foi detido em seu apartamento no bairro do Leblon.
A operação, batizada de "Calicute", é um desdobramento da Operação Lava Jato, que desde 2014 levou para a prisão dezenas de empresários e políticos por envolvimento em uma rede corrupção que afeta a Petrobras para favorecer partidos políticos com subornos pagos por grandes empreiteiras.
De acordo com a PF, o grupo investigado é suspeito de ter desviado recursos públicos de obras executadas no Rio de Janeiro, com prejuízos calculados em 220 milhões de reais.
Existem "fortes indícios de formação de cartel em grandes obras executadas com recursos federais, por meio do pagamento de subornos a agentes estatais", afirma o comunicado da PF.
Os investigados deverão responder a acusações de "integrar uma organização criminosa, corrupção passiva, corrupção ativa, lavagem de dinheiro, entre outras".