Duas vítimas da tragédia da Chapecoense passaram pelo Santos

Cléber Santana morreu; Neto passou por cirurgia e está se recuperando

 A Tribuna


Os dois jogadores já atuaram pelo Santos
Fernanda Luz/A Tribuna

Dois jogadores que faziam parte da delegação da Chapecoense defenderam o Santos. Sobrevivente no acidente, o zagueiro Neto passou pelo Peixe entre 2013 e 2014 e não conquistou títulos. Já o meia Cléber Santana faleceu ontem, aos 35 anos, e ficou marca do na história alvinegra pelo bicampeonato paulista de 2006 e 2007.

Quem comandava o clube da Vila no período das duas taças estaduais era Marcelo Teixeira. O ex-presidente citou a importância do ex-jogador naquelas campanhas, principalmente na primeira.
“Ele foi destaque da competição de 2006. Fez o gol decisivo contra a Portuguesa (no torneio de pontos corridos, o Peixe bateu a Lusa por 2 a 0 na rodada final, com um gol do meia e um contra), que premiou a campanha que ele fez. O Santos, naquele momento, precisava de jogadores de categoria e deve demais ao Cléber aquele título”, afirmou.
A análise do repórter Ted Sartori, setorista do time à época pelo jornal A Tribuna, vai ao encontro da declaração do antigo mandatário. Para o jornalista, o atleta, que jogou pelo Santos 97 partidas e fez 23 gols, era muito talentoso.
“Batia forte na bola e tinha um toque refinado no meio-campo, ponto forte daquele time, dono de futebol mais eficiente do que vistoso”, frisou.
Segundo Teixeira, a imagem que o meia deixou foi a de um profissional exemplar.“Tenho orgulho de falar dele. Sempre foi cumpridor de suas obrigações. Fica a lembrança de um amigo. Ele me marcou por sua simplicidade”.
Neto
O zagueiro Neto teve passagem discreta pelo Santos. Indicado pelo técnico Muricy Ramalho, o defensor foi contratado pelo então superintendente de esportes André Zanotta, atualmente executivo de futebol do Sport.
“Foi pedido pelo Muricy por ter se destacado na final do Paulista de 2012, pelo Guarani (o Santos foi campeão). Viabilizamos e, em 2013, ele se juntou a nós. Era um cara sensacional”, citou o cartola.
Esta também é a impressão de quem jogou com o zagueiro. O atacante Thiago Ribeiro falou sobre a convivência com o beque no Santos. “Era uma pessoa bem reservada, jogador sério. Mas, no grupo, era bem brincalhão, extrovertido. É um grande amigo, ainda tinha contato com ele”.
O avante torce pela recuperação do colega. Neto sofreu um traumatismo craniano.“É muito doloroso. Foi um choque, mas desde o momento em a notícia de que ele foi resgatado chegou, estou orando, pedindo que Deus o abençoe para sair dessa”. Em dois anos, Neto disputou 41 confrontos com a camisa santista e fez 1 gol.