Delegado da PC de Itapecerica alerta para golpes aplicados por telefone, leia mais



Está chegando ao final do ano e com isso alguns golpes voltam a aparecer com frequência.

Do DestakNews
 (Fotos Ilustrativas)
 
Nesta terça-feira (29), várias pessoas receberam ligações de um homem que se passava por um policial e exigia recargas em celulares, entre outros tipos de compras. Este cidadão estava usando na maioria das vezes o nome do Soldado André e dizia estar na Delegacia e precisando das determinadas vantagens com urgência.

O Delegado Dr. Thiago de Albuquerque, da 21ª Depol de Itapecerica, ressalta que, nenhum policial civil e nem militar, faz ligações para desconhecidos solicitando créditos para celular. Todo o policial tem seus meios de comunicação direta com as delegacias e quarteis da PM.
Os criminosos também utilizam outras modalidades já bastante conhecida que são aplicadas por telefone, que é o golpe do falso sequestro.
O golpe de falso sequestro feito por telefone já deixou muitas vítimas no prejuízo, após receberem ligações de dentro de presídios do país. As chamadas feitas normalmente a cobrar anunciam que alguém da família foi sequestrado. Logo em seguida é pedido um resgate como depósito em dinheiro ou créditos para celular.
A modalidade de crime citada já acontece há algum tempo. Os criminosos usam do desespero das vítimas para atender suas exigências e muitas vezes falseiam a voz do ente que supostamente foi sequestrado. A vítima acaba passando sem perceber informações aos bandidos e em alguns casos as informações são coletadas nas redes sociais.
Orientação nessa situação é tentar entrar em contato com a pessoa que se diz ter sido sequestrada. Normalmente durante o crime os criminosos procuram manter a pessoa ocupada no telefone para que ela não consiga fazer ligações, usando de ameaças para evitar que a vítima desligue.
É possível que a pessoa ligue e não consiga o contato. Nesses casos ela não deve se desesperar, mas manter a calma e pensar onde o ente deveria estar nesse momento. Há casos em que o crime é executado em momento que se sabe que a pessoa estaria com o celular desligado, como aulas ou na igreja, por exemplo. Sempre procure a polícia para que as devidas providências sejam tomadas. Caso exista algum receio peça a algum parente ou pessoa próxima que faça o contato enquanto a vítima está com o sequestrador ao telefone.
Outra modalidade similar é uma ligação informando que um parente se acidentou e pede dinheiro para que este dê entrada no hospital, uma vez que o SUS não cobre a internação. Nesse caso o criminoso se identifica como policial e a orientação é a mesma para o falso sequestro, a vítima deve tentar entrar em contato com o parente e verificar se o mesmo está de fato acidentado.
No final de ano também é comum o golpe do bilhete premiado, que já é bastante conhecido, mas acontece. 
Mais informações e dúvidas pelo telefone (37) 3341-1332, para falar com a Polícia Civil.