Logo de cara, um chapéu no marcador. Depois, uma assistência para o golaço de Philippe Coutinho e a frieza do artilheiro que chegou ao 50º gol pela Seleção Brasileira. 

Hoje em Dia

LIGA PRA MIM - Coutinho, Neymar e Jesus foram os donos do jogo no clássico do Mineirão
 
Todos queriam ver Messi e Neymar no Mineirão. Os 53 mil torcedores não se decepcionaram, viram o argentino fazer belos lances, mas se encantaram com a qualidade do camisa 10 brasileiro, que comandou uma exepcional atuação da equipe nacional num estádio amaldiçoado pelos 7 a 1.
Na vitória de 3 a 0 do Brasil diante da Argentina, nesta quinta-feira (10), pela 11ª rodada das Eliminatórias, o time canarinho protegeu o primeiro lugar da qualificatória e ainda afundou mais os rivais, que estão em sexto lugar, a uma colocação da zona de classificação à Copa do Mundo da Rússia-2018.
No duelo particular dos craques do Barcelona, Lionel Messi saiu na frente. Já aos seis minutos de jogo, havia dado dois chapéus no volante Fernandinho. No segundo lençol, provocou o cartão amarelo ao volante brasileiro. Ainda bateu uma falta na barreira, lance este que fez grande parte da torcida atrás do gol de Alisson ligar o celular para registrar o momento.
O chute de Messi não causou perigo, mas Biglia, em um bate-pronto, obrigou Alisson a se esticar completamente para impedir o que seria um golaço.
Mas o jogo estava para o time de amarelo, nitidamente superior taticamente. Em troca de posições, Philippe Coutinho recebeu de Neymar na ponta esquerda, driblou para o meio e venceu o desarme de Otamendi. Quando abriu a janela, ele aproveitou para mandar um canhão no ângulo de Sergio Romero.
A Argentina estava atordoada. Dependia de Messi driblar a defesa inteira do Brasil para criar chances. Já o Brasil tinha protagonistas de peso para auxiliar Neymar. Em cobrança de escanteio de Marcelo, Gabriel Jesus ganhou no corpo de Otamendi e descobriu um passe perfeito para Neymar se infiltrar no lado direito. O craque, gelado na frente do goleiro, só empurrou no contrapé de Romero e abriu cantorias de provocação e "o campeão voltou" na torcida.
O baile ainda aumentaria no segundo tempo. O volante Paulinho, um dos mais marcados pela goleada da Alemanha na Copa do Mundo, pôde, pelo menos por algum instante, se esquecer completamente do massacre germânico.
O jogador, escondido no futebol da China, quase marcou um gol ao driblar Romero, mas chutou fraco e a bola foi tirada quase em cima da linha. Pouco depois, ele conseguiria balançar as redes, após cruzamento aproveitado por Renato Augusto, que serviu o volante na entrada da pequena área.
3 a 0, um baile técnico e tático para cima dos albicelestes, que voltarão calados e desconfiandos de uma Argentina que não engrena sob o comando de Bauza. Tite, por outro lado, está em lua de mel. Teve o nome gritado pelos 53 mil presentes, que deram à CBF uma renda de 12,7 milhões, a maior já registrada em uma partida da Seleção em solo brasileiro.
Ficha Técnica
Brasil 3 x 0 Argentina

Brasil: Alisson; Daniel Alves, Marquinhos, Miranda (Thiago Silva) e Marcelo; Fernandinho, Paulinho e Renato Augusto; Philippe Coutinho (Douglas Costa), Neymar e Gabriel Jesus (Firmino). Técnico: Tite
Argentina: Romero; Zabaleta, Otamendi, Funes Mori e Más; Enzo Pérez (Agüero), Biglia, Mascherano e Di María (Correa); Messi e Higuaín. Técnico: Bauza
Gols: Philippe Coutinho, aos 25 minutos; Neymar, aos 46 minutos do primeiro tempo; Paulinho, aos 13 minutos do segundo tempo
Arbitragem: Julio Bascuñan, auxiliado por Christian Schiemann e Marcelo Barraza. Trio do Chile.
Cartões amarelos: Fernandinho e Marcelo (BRA) Funes Mori, Otamendi e Biglia (ARG)
Público: 53.490 presentes
Renda: R$ 12.726.250,00