Cuba decreta luto de 9 dias pela morte de sua maior liderança

Da Agência Brasil


Fidel Castro morreu aos 90 anos Alejandro Ernesto/Lusa/Direitos Reservados
Cuba amanheceu este sábado (26) sob um clima de tristeza pela morte da maior liderança política do país e, talvez, um dos maiores líderes mundiais dos últimos anos, Fidel Castro.
A morte de Fidel foi anunciada na televisão estatal cubana pelo irmão dele, o presidente de Cuba, Raúl Castro, que decretou luto oficial de nove dias no país. Ainda hoje, a comissão organizadora dos funerais do líder cubano divulgará informações detalhadas sobre as homenagens póstumas ao fundador da revolução cubana.
Ao anunciar a morte de Fidel, Raul Castro afirmou: “Com profunda dor, compareço para informar ao nosso povo, aos amigos da América e do mundo, que hoje faleceu o comandante e chefe da revolução cubana Fidel Castro Ruz. Em cumprimento a vontade expressa do companheiro Fidel seu corpo será cremado. Até a vitória. Sempre”.
Fidel Castro é, ao mesmo tempo, adorado por muitos cubanos e também odiado por outros tantos que se exilaram principalmente nos Estados Unidos para fugir do regime socialista implantado durante a revolução cubana, liderada pelos irmãos Castro. Milhares de cubanos, que moram principalmente em Miami, nos Estados Unidos, saíram às ruas para celebrar a morte de Fidel. 
Regime socialista começou em 1959
As histórias da revolução cubana e de Fidel Castro, que morreu aos 90 anos, misturam-se em Cuba. Em 1959, Fidel e um grupo de revolucionários - incluindo Raúl Castro, seu irmão, e Che Guevara - instauraram o regime socialista na ilha. Em 2008, por estar com o estado de saúde abalado, Fidel se afastou definitivamente da Presidência da República de Cuba, passando o cargo a seu irmão Raúl.
Mas, manteve-se no comando do Partido Comunista de Cuba. Além de prestar orientações ao governo do irmão, continuou sendo a maior liderança do país.
Oficialmente, não houve justificativas para o afastamento de Fidel do poder e sua substituição por Raúl. Mas informações não oficiais confirmavam que o estado de saúde do líder era frágil, agravado por um câncer no intestino.

Ao longo de quase meio século no comando de Cuba, Fidel consolidou a imagem de força, resistência e crítica aos Estados Unidos, caracterizado por ele como “império capitalista”.
Nos anos 2000, durante reunião de chefes de Estado das Américas, no Rio de Janeiro, Fidel desapareceu no exato momento da foto oficial, na qual também estava prevista a participação de George W. Bush – ex-presidente dos Estados Unidos. Ao ser perguntado sobre as razões de não estar presente na fotografia, Fidel foi preciso na resposta: “Estava no banheiro e me demorei lavando as mãos”. Em seguida, soltou uma gargalhada.
Embargo dos EUA dificultou vida dos cubanos 
A população cubana vive situação delicada. Desde o fim da União Soviética (1991), o país passou a enfrentar dificuldades econômicas agravadas pelo embargo imposto pelos Estados Unidos (1962).
A maior parte da economia cubana é sustentada por cidadãos do país que vivem no exterior e enviam dinheiro para parentes. A situação econômica em Cuba é difícil devido às dificuldades para importação de bens básicos de consumo.
A comunidade internacional não poupa críticas aos irmãos Castro. Para parte dos líderes internacionais, o regime cubano é fechado, autoritário e com sinais de transgressão à democracia e de violação aos direitos humanos. Uma das críticas é em relação à liberdade política e de expressão. Os adversários dos Castro dizem que são perseguidos politicamente.
O governo de Fidel foi responsável por montar um imenso aparato estatal em Cuba. Para implementar a reforma agrária foi criado o Instituto Nacional de Reforma Agrária. O fim do analfabetismo no país foi obtido por uma campanha maciça envolvendo os chefes de família e de forma impositiva. Para estimular a cultura, foram criadas instituições, como a Imprensa Nacional de Cuba e o Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográfica.
Fidel e Brasil
A relação de Fidel com o Brasil foi registrada ao longo da história com encontros com os ex-presidentes Juscelino Kubitschek e Jânio Quadros. As relações entre os governos do Brasil e de Cuba se aproximaram com a assunção ao poder dos governos petistas dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff. Foram firmados vários acordos em diversas áreas, inclusive com vinda de médicos cubanos para integrar o Programa Mais Médicos.
Cuba e EUA
As relações diplomáticas entre Cuba e Estados Unidos, que eram das piores, começaram a ser reatadas há poucos anos. Com a interferência do papa Francisco, os presidentes Barack Obama e Raúl Castro se falaram depois de 55 anos de relações rompidas.
Em dezembro de 2014, os presidentes dos Estados Unidos e de Cuba foram à televisão anunciar que iriam restabelecer as relações diplomáticas que estavam rompidas. Hoje, os dois países mantêm relações diplomáticas.