Black Friday começa nesta noite e deve vender R$ 2,1 bi

Relação do consumidor com a liquidação amadureceu e expectativa por grande desconto diminuiu

O Tempo

Pronta paga gastar. Com lista de compras, Amanda Santos juntou dinheiro e monitorou preços

Na virada de hoje (24) para amanhã (25), à meia-noite, a Black Friday vai tomar conta da internet no Brasil. Serão 24 horas de liquidações. Segundo a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico (camara-e.net), a promoção deve movimentar R$ 2,1 bilhões, um crescimento de mais de 30% em relação ao ano passado, quando foram R$ 1,6 bilhão em vendas.

A universitária e autora do blog semcereja.com.br, Amanda Santos, vai se casar em 2017 e já reuniu com o noivo cerca de R$ 15 mil para comprar itens de casa, como geladeira, mesa, cama, televisão, roupa de cama, mesa e banho, e objetos de decoração. “Esperamos a Black Friday para conseguirmos descontos em tudo. Já fizemos uma lista com todos os itens e os preços que custavam uns dois meses atrás, para não correr o risco de sermos enganados”, explica.

A vendedora Rayanna França também preferiu esperar para comprar um guarda-roupas. “Vimos alguns com preço até razoável no Submarino em setembro e outubro. Mas como faltava só um mês, resolvemos esperar”, conta Rayanna, que está mobiliando o apartamento que divide com o namorado.

Ela usa um aplicativo para acompanhar os preços e não descarta trocar o e-commerce pelas lojas físicas, se compensar. “Na sexta-feira de manhã, dou uma olhada no app e depois vou às lojas. No que estiver com o preço melhor, nós vamos comprar”, diz.

O preço menor é, segundo uma pesquisa do Google, o grande motivador para compras na Black Friday. O valor foi apontado por 42% dos pesquisados como principal fator para escolher um produto. Já a expectativa está mais realista. Tanto Amanda como Rayanna esperam conseguir cerca de 30% de desconto. “Os mais jovens já entendem que a nossa Black Friday não tem os superdescontos que as lojas divulgam. Os mais velhos acreditam, e têm expectativa de um desconto de 50% a 60%”, opina Amanda.

Para o diretor de comunicação e marketing da camara-e.net, Gerson Rolim, a relação do consumidor com a promoção amadureceu. “A questão ‘Black Fraude’ estava relacionada também com a expectativa do consumidor, que achava que os descontos eram enormes, e que todo o site tinha que estar em promoção”, avalia.

Nas ruas. Shoppings e grandes redes de varejo também estão na Black Friday. O Walmart abre nesta quinta-feira (25) às 6h, com 500 itens em promoção. As estações de metrô Vilarinho, Santa Efigênia e Minas Shopping ficarão abertas até as 23h20 para embarque.
Brasileiro na Black Friday
R$ 1.098: gasto médio do brasileiro na promoção do ano passado
61% dos compradores online usam o cartão de crédito
Indicação. A camara-e.net aconselha que o comprador use a madrugada. Meia-noite é um horário de pico, mas uma ou duas horas depois, o tráfego já diminuiu e os estoques ainda estão altos.
Até bancos entram na promoção
Os bancos estão aproveitando a Black Friday para oferecer descontos nos serviços. No Santander, até o parcelamento da fatura está com desconto de 20%, e as taxas de juros para crédito consignado e pessoal serão 15% menores até esta quinta-feira (25). Outros serviços terão desconto de até 50%.

Já o Intermedium diminuiu para R$ 1.000 o valor mínimo para investimento em LCI até amanhã. O banco afirma que oferece garantia de lastro nessa modalidade, o que pode tornar o investimento mais atraente.


Google

Pesquisa por preço cresceu 60% no ano

Uma pesquisa realizada pelo Google aponta que três em cada quatro dos atuais 40 milhões de consumidores online do Brasil estão animados com a Black Friday deste ano. Porém, o consumidor está planejando melhor suas compras, já que as buscas pelo critério de preço cresceram 60% de um ano para o outro, diz o estudo.

“Acho que comprar por impulso na Black Friday é uma fria. Só dá para descobrir bons descontos se você conhece o produto e está por dentro dos preços”, opina o desenvolvedor de software Murilo Queiroz, 38. Ele acompanhou o preço de jogos de tabuleiro nos últimos meses e já conseguiu bons descontos. “Comprei o jogo Arcadia Quest por R$ 235,99 e ele normalmente custa R$ 359,90”, conta.

Ele e um grupo de amigos estão acompanhando os preços dos jogos para comprarem mais barato. “Mobilizar a turma que tem interesses em comum ajuda a achar as melhores ofertas”, opina.