Áudio sugere que Cabral sabia da prisão

Estadão Conteúdo

O áudio indica também a possibilidade de ocultação e destruição de provas
Interceptações telefônicas realizadas pela Polícia Federal e o Ministério Público mostram um diálogo entre uma mulher identificada como Fanny, que seria auxiliar da ex-primeira-dama do Rio, Adriana Ancelmo, e o marido dela, identificado como Ricardo. Na conversa, a dupla sugere que o ex-governador Sérgio Cabral Filho (PMDB) já sabia da possibilidade de ser preso a qualquer momento. Além disso, na conversa, indicam a possibilidade de ocultação ou destruição de provas - envolvendo um colaborador chamado Rodrigo, possivelmente ligado à Secretaria da Saúde.
Em um trecho das gravações, os interlocutores comentam que o ex-governador soube minutos antes que seria preso: "Aí o Laviola veio e falou com a Célia assim: 'Olha, Polícia pode bater aqui a qualquer momento. No que ele saiu, a Polícia bateu'". Os dois nomes citados na conversa entre a auxiliar e seu companheiro não foram identificadas pela Polícia Federal. 


As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.