O torcedor do Atlético saiu do Independência com a sensação de injustiça. O Galo recebeu o líder Palmeiras e jogou com uma intensidade surpreendente.

Hoje em Dia

Encostou o time paulista na parede e errou inúmeras chances. Saiu atrás do placar, mas conseguiu evitar a derrota . O placar em 1 a 1, entretanto, deixa o título impossível a as chances de G3, menores.
Mas o futebol apresentado pelo alvinegro mineiro, que contou com mais um gol de Lucas Pratto, empolga para as finais da Copa do Brasil, o grande e, talvez, único objetivo ao alcance do clube mineiro, que precisará solidificar a defesa, vítima de um gol de Gabriel Jesus em contra-ataque palmeirense.
Com o resultado, o Galo se mantém na quarta colocação, com 61 pontos, mas foi prejudicado pela vitória do Santos contra o Vitória. Está a cinco pontos do terceiro colocado Flamengo e a seis do Peixe, o vice-líder, a quatro pontos do dono da ponta da tabela, o Palmeiras.
O JOGO
Com dois pontas em alta velocidade e Robinho se aproximando de Fred, o técnico Marcelo Oliveira mandou o time do Atlético para cima do Palmeiras nos primeiros 23 minutos de jogo. Massacrou a defesa alviverde, que teve que contar com um Robinho impedido para não levar o primeiro gol do jogo.

O camisa 7 do Atlético saiu da posição irregular para mandar até o fundo da rede uma bola que bateu na trave de Jaílson, após um chute de Fred que desviou na zaga e não entrou por milímetros.
Entretanto, o líder teve a sorte ao seu lado. O volante Leandro Donizete perdeu a posse de bola do Galo e armou um contra-ataque fatal para os paulistas. Dudu tocou nas costas de Erazo e Gabriel não acompanhou devidamente o xará palmeirense. Gabriel Jesus chutou, a bola desviou no zagueiro alvinegro e encobriu Victor.
Atrás do placar, o Atlético tentou aumentar ainda mais o ritmo. Produziu novas chances, com um chute de Luan, rasteiro, indo para fora, por exemplo. Chegou a tomar um susto após novo contragolpe palmeirense. Gabriel Jesus recebeu nas costas da zaga e, de letra, tocou para o lado. A bola ia chegando em Roger Guedes, mas Victor mergulhou para interceptar o passe e evitar o segundo gol do líder.
Um primeiro tempo fervendo, com direito inclusive a duas confusões no gramado. A primeira foi quando o juiz marcou uma falta para o Galo. Os jogadores do Palmeiras protestaram e uma velha rixa na partida (Gabriel Jesus x Donizete) se aflorou. Após o "deixa disso", ambos foram amarelados.
Posteriormente, foi o juiz que se enrolou ao anular o gol de Robinho. Os atleticanos reclamaram com a bandeirinha, o juiz fez menção de validar o gol, mas foi mantido o impedimento.
O segundo tempo começou menos quente do que a etapa inicial. O Palmeiras fez de tudo para se proteger e as estocadas do Galo foram ficando fracas. Fred, em noite ruim, não conseguia fluir o ataque alvinegro, preso nas pontas.
Foi quando Lucas Pratto entrou no lugar de Maicosuel. Em menos de um minuto em campo, no primeiro toque na bola, o camisa 9 aproveitou cruzamento de Robinho (parceria que classificou o Galo para a final da Copa do Brasil) e venceu Jaílson.
O Galo foi para o tudo ou nada no fim do jogo e deixou a defesa ainda mais exposta. Com Roger Guedes e Vitor Hugo, o Palmeiras quase ficou na frente do placar, outra vez. No fim, um placar ruim para os dois clubes, mas em uma partida de alto nível, na qual as duas torcida aplaudiram no final.
Ficha Técnica:
Atlético 1x1 Palmeiras

Atlético: Victor; Carlos César, Gabriel, Erazo e Fabio Santos; Leandro Donizete, Junior Urso, Luan (Cazares) e Maicosuel (Pratto); Robinho (Clayton) e Fred. Técnico: Marcelo Oliveira.
Palmeiras: Jaílson; Jean, Edu Dracena, Vitor Hugo e Egídio; Thiago Santos (Thiago Martins), Tchê Tchê e Moisés; Roger Guedes, Dudu (Erik) e Gabriel Jesus (Alecsandro). Técnico: Cuca.
Gols: Gabriel Jesus, aos 26 minutos e Lucas Pratto aos 14 minutos do segundo tempo Arbitragem: Bráulio da Silva Machado (SC); auxiliado por Bruno Boschilla (PR) e Neuza Inês Pack (SC) Cartões amarelos: Leandro Donizete e Luan (CAM) Gabriel Jesus, Vitor Hugo, Dudu e Egídio (PAL) Público:
Renda: