Produtora da campanha de João Leite é roubada durante a madrugada

Oito notebooks usados na edição de vídeos da campanha foram levados; havia um vigia no local no momento, que disse não notar nada de anormal

O Tempo

A sede da produtora de vídeos da campanha de João Leite (PSDB) foi invadida na madrugada desta terça-feira (25), no bairro Cruzeiro, na região Centro-Sul de Belo Horizonte. Foram levados oito notebooks que eram usados para editar o material de propaganda política, mas os demais equipamentos foram deixados no local. 

As polícias Federal, Civil e Militar foram acionadas.
O roubo foi descoberto por funcionários da empresa que chegaram para trabalhar nesta manhã e deram falta dos equipamentos. O furto ocorreu no segundo andar de uma das duas casas alugadas pela produtora para fazer o material audiovisual da campanha do candidato tucano. Segundo a campanha de João Leite, os computadores continham as estratégias de campanha e a redação dos programas do candidato.
Barral Lima, dono da produtora e produtor executivo da campanha, disse que as máquinas eram usadas na redação de matérias que seriam veiculados nos próximos dias e avaliou o equipamento roubado em aproximadamente R$ 12.000. "Foi levado todo o material que existia e o que foi feito para entrar agora, que são os dias mais definitivos desta campanha", declarou. Barral disse estranhar que o ladrão tenha deixado para trás equipamentos mais caros, mas que é cedo para falar o que ocorreu. João Leite não se posicionou sobre o ocorrido.
As imagens do circuito interno de TV registraram o crime, que ocorreu pouco antes das 4h. Além disso, na hora havia um vigia trabalhando nas casas, que informou à polícia que não notou nada de diferente. O vídeo mostra um homem saindo do local após pular o muro com uma sacola, sem usar máscara, e indo embora a pé. As imagens foram entregues para a Polícia Federal, que acompanha o caso uma vez a produtora trabalha em uma campanha eleitoral.



As imagens das câmeras de segurança registraram apenas o momento em que o ladrão deixa o local, com uma sacola contendo oito computadores portáteis. A perícia da Polícia Civil avaliou que o suspeito pode ter entrado pelo muro, em um local onde a cerca elétrica está rompida, mesmo local que usou para deixar o imóvel.
Vizinhos relataram não ter escutado nada de diferente durante a noite. Alexandre Ayres Junior mora em um apartamento onde pode ser visto o local do roubo e disse só ter ficado sabendo da ocorrência pela imprensa. Moradores do entorno disseram que a rua é erma durante a noite e que existe grande número de furtos de carros no local. Um dos vizinhos, que pediu pra não ter a identidade revelada, relatou que já ocorreram dois sequestros relâmpagos e que a rua é usada por prostitutas que ficam na Afonso Pena para atender clientes.

  Os deputados Sargento Rodrigues (PDT), que também foi candidato à prefeitura de BH, e João Victor Xavier (PSDB) estiveram na casa para acompanhar a situação e não deram declarações sobre o crime.