Polícia Civil de Minas atua para garantir o direito ao voto

Neste domingo (2), a Polícia Civil de Minas Gerais exerceu, por decisão do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), a competência integral para as ocorrências de natureza eleitoral nos municípios desprovidos de unidade da Polícia Federal.

 (Foto: PCMG/Divulgação)

Nas cidades de Belo Horizonte, Divinópolis, Juiz de Fora, Montes Claros, Uberaba, Uberlândia, Varginha e Governador Valadares não houve necessidade de reforços, uma vez que nessas cidades existem unidades da Polícia Federal, a qual é a competente para a apuração de crimes eleitorais. No restante do estado, a Polícia Civil atuou como Polícia Judiciária Eleitoral. Em função disso, os horários e equipes em todo o Estado foram reforçados para garantir aos mineiros o pleno direito ao voto.

Durante todo o domingo, os crimes eleitorais ocorridos em Minas Gerais foram imediatamente repassados ao TRE-MG. Ao longo do dia, em todo o Estado, a Polícia Civil recebeu 391 ocorrências, contendo, no total, 427 pessoas conduzidas. Dessas, 33 ficaram presas. A maioria das prisões foi pelo crime de boca de urna, previsto no Art. 39 da Lei 9.504/1997, que estabelece normas para as eleições.

No próximo dia 30 de outubro, em caso de segundo turno nas sete cidades do Estado que possuem mais de 200 mil eleitores, os mesmos procedimentos serão adotados. As cidades são Belo Horizonte, Contagem, Betim, Uberlândia, Juiz de Fora, Montes Claros e Uberaba.