Operação da Polícia Civil cumpre mais de 200 mandados em um dia em Minas

Divulgação PCMG
 Operação



Uma força-tarefa da Polícia Civil de Minas Gerais de combate a crimes contra o patrimônio, contrabando, tráfico de drogas e jogos de azar possibilitou o cumprimento de 200 mandados de prisão e de busca e apreensão nas regiões Sul, Leste, Noroeste, Centro, Venda Nova e Barreiro, na capital mineira. Denominada Operação Logus, a iniciativa contou com a parceria da Polícia Militar, e foi realizada na última sexta-feira (21), mobilizando mais de um mil policiais civis e militares e centenas de viaturas. 
                                                                                                                                                                          Divulgação PCMG

Cigarros falsificados apreendidos

Caça-níqueis apreendidos


O trabalho integrado resultou na condução de 54 suspeitos e na apreensão de três mil aparelhos celulares em situação irregular, drogas – maconha e LSD, três veículos, quatro armas de fogo e munições, 38 máquinas caça-níqueis, diversos eletrônicos, 867 CDs e DVDs piratas, além de uma carga de 800 mil unidades de cigarros falsificados avaliados em mais R$ 500 mil. Na operação, nove estabelecimentos de jogo de bicho, ainda, foram fechados.

Divulgação PCMG

Integração entre policiais civis e militares


De acordo com o chefe do 1º Departamento de Polícia Civil de Belo Horizonte, delegado Rogério de Melo Franco Assis Araújo, a Operação Logos foi planejada visando à redução da criminalidade. “A intranquilidade deve sair do cidadão e ir para a criminalidade. A Polícia Civil estará cada vez mais atenta para trazer de volta a sensação de segurança à população de Belo Horizonte”, destacou. O delegado adianta que os serviços serão intensificados para dar continuidade às investigações dos crimes em apuração.

                                                                               Divulgação PCMG

Delegados e investigadores cumprindo mandados


Coletiva de imprensa


Aproximação

O nome Logos, usado na operação, é uma palavra grega, com diversos significados: discurso, matéria, razão, verbo, motivo, o falar, justa causa. Em sua essência a Operação Logos teve o objetivo de mostrar a atividade da PCMG e compromisso com a população. Durante sua execução, também foram feitos atendimentos ao público em diversos pontos de Belo Horizonte. Um ônibus da Polícia Civil, em que funciona a Delegacia Móvel, esteve na Praça Sete, hipercentro da capital. Investigadores e escrivães atenderam a população e produziram os Registro de Eventos de Defesa Social (REDS) respectivos.
                                                                                Divulgação PCMG

Presos


Os serviços tiveram a aprovação dos cidadãos que estabeleciam o contato com os policiais civis e apresentavam satisfação na aproximação com a PCMG. Comerciantes de vários pontos de Belo Horizonte elogiaram as ações desencadeadas na Operação Logos. Funcionários do comércio utilizaram a frase “se o comércio vai bem, a cidade vai bem”, para dizer que as ações policias empenhadas próximo ao comércio auxiliam no bom funcionamento dos negócios.

Planejamento da ação

Para organizar a Operação Logos, foram utilizados estudos do Setor de Inteligência da Polícia Civil, que mapeou crimes e gerou um relatório de análise criminal. Desta forma, foi possível nortear as ações de trabalho. Já para a execução, houve a distribuição do efetivo de acordo com a necessidade, de maneira ordenada e integrada, favorecendo o trabalho investigativo dos policiais civis e o policiamento ostensivo dos militares.

As equipes de policiais civis, com apoio dos policiais militares, cumpriram mandados de prisão, abordaram indivíduos e veículos nas regiões de maior incidência de crimes patrimoniais. Além de diligências referentes às investigações em andamento para a localização de autores de crimes de furtos, receptações, roubos e apreensões de materiais irregulares, que são colaboradores para o financiamento de outras atividades criminosas. Houve prisões em flagrante e abertura de inquéritos policiais, que culminarão no processo criminal.

Agradecimento

O comprometimento das equipes foi destacado pelo chefe de departamento. “Desejo manifestar a minha satisfação pessoal, o meu contentamento e no ensejo agradecer a todos os policiais pela participação vibrante, firme e enobrecedora nessa marcante operação. Saibam todos vocês, que o resultado foi louvável, um sucesso entusiasmante, que me orgulha exercer essa Chefia, com essa Equipe comprometida com os nobres valores de nossa amada instituição. Recebi e retransmito cumprimentos do Conselho Superior da Polícia Civil, de representantes de entidades do comércio, da sociedade e do governo”, observa Rogério de Melo Franco.

Fonte:PCMG