Começa nesta terça (1/11) a vacinação do rebanho mineiro contra a febre aftosa

Produtor deve ficar atento aos cuidados para vacinar corretamente o gado e poderá comprovar a vacinação pelo site do IMA 

Agência Minas

Em 2016, Minas Gerais completou 20 anos sem registros de ocorrência de focos de febre aftosa

Nesta terça-feira (1/11), em todo o estado, tem início a segunda etapa de vacinação anual do rebanho mineiro contra a febre aftosa. Os produtores rurais terão até 30 de novembro (quarta-feira) para vacinar os bovinos e bubalinos  de sua propriedade, todos com idade de zero a 24 meses. A primeira etapa de vacinação ocorreu em maio deste ano.
A vacinação é obrigatória e é a forma mais eficiente de se proteger os animais contra a doença. O produtor que não vacinar os animais estará sujeito a multa de 25 Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais (Ufemgs) por animal, o equivalente a R$ 75,27 por cabeça. 

O Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), vinculado à Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) é o órgão responsável por orientar os produtores, supervisionar e fiscalizar a vacinação do rebanho. O Instituto estima que deverão ser vacinados nesta etapa cerca de 9,6 milhões de animais.

Para comprar a vacina o produtor deve apresentar CPF e identidade nas lojas de revenda de produtos veterinários. 

Cuidados para vacinar 
O diretor-geral do IMA, Marcílio de Sousa Magalhães, lembra que o produtor deve adotar alguns cuidados que são importantes para garantir a eficiência da vacina. Entre eles, Magalhães alerta para o transporte e armazenamento corretos deste produto. 


“Do momento em que forem adquiridas na loja, durante o transporte e  até o momento da aplicação as vacinas deverão permanecer em ambiente refrigerado. É fundamental mantê-las em geladeiras ou em caixas térmicas com muito gelo, de forma que estejam armazenadas em temperatura entre 2 e 8 graus centígrados, inclusive no momento da aplicação. Além disso, deve-se agitar o frasco da vacina antes da utilização e administrar a dose correta, que é de 5 ml. São cuidados que irão garantir a eficiência da vacinação e a imunização dos animais”, ressalta.  

Comprovação no site 
A legislação prevê como obrigatório que os produtores rurais comprovem a vacinação dos animais de sua propriedade junto ao IMA. Marcílio Magalhães chama a atenção dos produtores para que utilizem o site do IMA para fazer essa comprovação.

“É uma forma rápida e eficaz de comprovar a vacinação, sem a necessidade de ter que se deslocar até uma unidade do IMA. Basta que o produtor acesse o endereço www.ima.mg.gov.br, onde terá um link para o Formulário de Declaração de Vacinação, também conhecido como Carta Aviso de Vacinação, onde ele poderá fazer essa  comprovação”, informa o diretor-geral.

Para fazer essa comprovação, será necessário que o produtor tenha em mãos as notas fiscais de compra da vacina, informações necessárias para se comprovar a vacinação. “O IMA oferece essa opção pelo seu site, o que é uma comodidade para os produtores.  Esse link  estará disponível a partir de 1º. de novembro”, informa Magalhães.  

Exportações 
Minas Gerais possui o segundo maior rebanho bovino do Brasil com cerca de 23,5 milhões de animais, de acordo com os registros do IMA.  É o maior produtor de leite do país com  9,1 bilhões de litros/ano.  De janeiro a setembro deste ano o estado exportou  o equivalente a  US$  269,1 milhões em carne bovina. 

Neste ano, Minas completou 20 anos sem registros de ocorrência de focos de febre aftosa. Com isso, o estado mantém o status obtido junto à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de área livre de febre aftosa com vacinação, o que lhe permite exportar os produtos da bovinocultura para diversos países, inclusive conquistando novos mercados.