Cemig orienta consumidores e alerta para os riscos da sobrecarga de energia

Número de incêndios provocados por sobrecarga ou curto-circuito aumentou quase 50% no último ano, em todo o país

Agência Minas


  • Neste período do ano, quando as temperaturas começam a aumentar, é comum a instalação de equipamentos para refrigeração do ar. A falta de estrutura nas instalações elétricas internas, no entanto, pode representar risco de interrupções de energia ou mesmo incêndio. Inclusive, o número de incêndios no Brasil causados por sobrecargas elétricas saltou de 295, em 2014, para 441, em 2015, um aumento de 49%, de acordo com dados da Associação Brasileira de Conscientização para os Perigos da Eletricidade (Abracopel). 

Nas últimas décadas, também houve aumento expressivo no número de equipamentos ligados e, muitas vezes, em construções mais antigas, as estruturas elétricas podem não estar preparadas para suportar essa nova demanda.  Queima de fusíveis e desarme de disjuntores são sinais de que há algum problema nas instalações elétricas e que devem ser observados com atenção.

Segundo o engenheiro eletricista da Cemig, Demetrio Venicio Aguiar, é sempre importante contratar profissionais qualificados para executar qualquer serviço elétrico. “Sem o conhecimento técnico, é comum que, em casos de sobrecarga ,se troque apenas o disjuntor ou a chave fusível e a fiação continue recebendo energia além do previsto, uma situação de altíssimo risco para incêndio”, alerta. Ele alerta, ainda, que só um profissional especializado é capaz de elaborar um projeto elétrico com as dimensões corretas, justamente para que não haja esse tipo de problema.

Outro problema de sobrecarga também pode ocorrer devido ao uso inadequado das instalações elétricas, como, por exemplo, a utilização de Ts, benjamins ou extensões que podem triplicar a corrente de energia em uma única tomada da instalação. Nesse ponto, a Cemig reforça que as 'gambiarras' e os 'jeitinhos' nas instalações elétricas são totalmente desaconselháveis e perigosos.    

O ideal, segundo Demetrio Aguiar, é que toda a casa tenha um projeto elétrico, o que facilita a manutenção e até a avaliação para o acréscimo de novas cargas. Dependendo do aparelho que o consumidor for adquirir, é preciso informar a Cemig e solicitar uma alteração de carga.

Atualização de carga

A sobrecarga de energia pode afetar as redes elétricas e causar interrupções. Por isso, é dever do consumidor avisar a Cemig quando for necessário um aumento de carga significativo, pois pode ser preciso até mesmo uma readequação da rede elétrica.

Os clientes precisam ficar atentos, principalmente, quando vão adquirir um ar-condicionado ou adicionar mais algum chuveiro elétrico. “Antes de ligar esses equipamentos com potência maior, o consumidor precisa consultar um eletricista habilitado e, dependendo do caso, pedir uma alteração de carga na Cemig”, orienta Demetrio. “Esses cuidados garantem que o cliente possa utilizar os equipamentos ao mesmo tempo, sem perigo de incêndio”, completa.