Por que os preços dos carros não caem em tempo de crise

Se a marca vende menos, precisa aumentar a margem por produto comercializado. E, isso não é de hoje: ‘carro popular não dá lucro’, costumava dizer um importante executivo

Estadão

Produção cai mês a mês para reduzir estoques e encontrar equilíbrio (Foto: Marcio Fernandes/Estadão)

Não é novidade que a crise econômica acertou em cheio a indústria automobilística. Que depois de anos de euforia, veio a queda nas vendas, inicialmente lenta, e vertiginosa nos últimos dois anos. Também não é segredo que os preços dos veículos, em vez de caírem – para atrair mais clientes -, estão aumentando. Por quê?
(No Instagram: @blogprimeiraclasse)
Primeiro, vem o óbvio: a inflação está em alta, o dólar aumentou – impulsionando os preços tanto dos importados quanto da matéria-prima dos nacionais – e algumas reduções de imposto concedidas a curto prazo já deixaram de valer. Isso impulsionou as tabelas para o alto.
O problema, porém, é mais complexo. E aqui, é importante ressaltar: o principal objetivo de uma empresa não é vender, é lucrar. Reduzir os preços dos carros – ou ao menos não efetuar aumentos – faria, em uma situação de crise, os lucros voltarem ou subirem – ou geraria redução no prejuízo? A resposta: não.
O que é preciso fazer então? Adequar-se aos tempos de crise para voltar à lucratividade. E aumentar a margem de lucro por produto, uma vez que as vendas estão em baixa.
As montadoras perceberam rapidamente que, nos segmentos de entrada, não obteriam êxito na missão do lucro. Afinal, em 2015, quando a crise apertou, as únicas marcas que cresceram no Brasil foram as de luxo. Mais precisamente, aquelas que tinham carros de alto valor agregado entre R$ 100 mil e R$ 150 mil (Audi, BMW e Mercedes-Benz, principalmente).
Isso estava ocorrendo porque, primeiramente, a crise chega depois às classes mais altas. Além disso, o principal problema – e isso já vem ocorrendo desde 2014 – não é o preço, e sim a redução da oferta de crédito. As compras nos segmentos de entrada são baseadas em financiamentos. Sem parcelar, não dá.
E o que faz esse cliente quando não consegue financiar, seja por não obter crédito ou por encontrar apenas juros muito altos? Não compra.
Um dos principais executivos da indústria automobilística nos anos 90 e na década passada costumava dizer: “Carro popular não dá lucro”. Claro que há exagero na afirmação, mas é fato que, quanto maior o valor agregado, maior é o lucro da montadora. Isso não é de hoje; é de sempre.
Esse contexto fez com que as montadoras voltassem seus esforços para segmentos de maior valor agregado – leia-se de carros mais sofisticados e caros. Há, por exemplo, muitas opções de financiamento com “taxa zero” – alguns modelos mais baratos também têm essas condições, mas não com grande frequência.
“É uma maneira de dar ao cliente a opção de não ficar descapitalizado na compra do carro”, disse recentemente um executivo da Ford. Traduzindo: são pessoas que têm dinheiro para comprar, mas ganham a opção de parcelar sem juros, ou com juros muito baixos.
Outro fenômeno recorrente nesses tempos de crise é colocar mais itens de série nos carros, mesmo os de segmentos de veículos mais baratos. Resultado: se tem mais itens, tem preço mais alto – e também maior margem de lucro para as marcas.
Por que a Honda não lançaria um Civic cheio de equipamentos e com um motor moderno e eficiente por R$ 125 mil? A marca não quer vender cinco mil unidades por mês, mas sabe que há clientes para essa opção de topo. E há lucro.
Mais: uma marca vai em breve lançar no País a versão atualizada de um sedã. Por ora, não posso divulgar detalhes sobre esse carro, mas algo me chamou a atenção: a versão de entrada continua em linha, mas a estratégia é toda voltada às configurações que têm motor mais potente e moderno – e que trazem maior margem à montadora.
É uma tendência do mercado, e que deve perdurar por alguns anos. Ainda que o governo tome medidas para reduzir os efeitos da crise, as coisas na indústria automobilística não acontecem do dia para a noite.
Reflexos já estão sendo vistos no ranking de vendas desde o ano passado: Corolla, HR-V e Renegade, todos com preços iniciais acima de R$ 60 mil, estão entre os mais vendidos. Enquanto isso, os “populares” Gol e Uno vão perdendo espaço mês a mês.
Mas e os estoques? As montadoras estão, cada vez mais, reduzindo a produção de carros. Em breve, vão encontrar o equilíbrio entre produção e vendas – e o retorno à rica era dos lucros.
Enquanto isso, aumenta o desemprego. E o carro vai ficando novamente inacessível aos brasileiros. Reflexos cruéis de uma grave crise.