Galo sofre, mas vence o Sport e segue na caça dos líderes

Alvinegro foi beneficiado pela expulsão do goleiro adversário, msa teve dificuldades para arrancar o 1 a 0 no Horto

@superfc

O campeonato é duro e, em alguns jogos, é preciso tirar a vitória da cartola. Para derrotar o Sport, no Horto, o Galo não precisou de mágica, mas se desdobrou além da conta e da paciência do torcedor para achar o gol que lhe valeu um importante triunfo na perseguição aos líderes do Brasileiro.
Com um time bem modificado, contratempos médicos e sem seu artilheiro – Robinho foi poupado –, o magrinho 1 a 0 que, trocadilhos à parte, teve certa contribuição do goleiro Magrão, expulso no fim do primeiro tempo, que foi bastante comemorado para manter o Galo a uma distância alcançável do Palmeiras. São três pontos de distância do líder e dois do Flamengo, o vice-líder.
Foi um jogo realmente encardido, meio maluco, por cada ato que se deu. Robinho, desgastado por uma sequência de 21 jogos seguidos, foi poupado. Ele nem ficou no banco, mas esteve no estádio para acompanhar os companheiros. Também sem Maicosuel, machucado, o time teve uma formação bem diferente dos últimos jogos, com Júnior Urso, Otero e Clayton entre os titulares. Mas bastou a bola rolar para o fantasma das lesões aprontar de novo.
Com 11 min, Marcos Rocha, que voltava de lesão após três partidas, sentiu novamente e pediu substituição. Marcelo foi obrigado a colocar Erazo, que não estava 100%, e deslocar o jovem Gabriel para a lateral.
O time aparentemente desfigurado teve muita dificuldade. Passes errados, má pontaria, um bate-cabeça que deixava a torcida enfurecida. Pratto errava uma atrás da outra. A sorte alvinegra era que os pernambucanos, embora com certo volume ofensivo, vacilavam na cara do gol.
O Galo estava mal, mas um lance mudaria os rumos da partida. No fim da primeira etapa, o goleiro Magrão saiu com as mãos fora da área e foi expulso, alimentando esperança de melhora para a segunda etapa.
Só que o cenário pouco mudou. O time continuava desorganizado, não construía nada. A fé alvinegra tinha nome: Cazares, recuperado de lesão, há dois meses sem atuar. Com um minuto em campo, o equatoriano iniciou a jogada, que contou com a raça de Otero e a finalização de Júnior Urso, aos 13 min.
O jogo, então, se desenhou completamente diferente. Aliviado com o gol marcado, o time preferiu trocar passes para encontrar o espaço sem afobação. Fred acertou o travessão, quando poderia matar a partida. O Leão pouco ameaçou mas até que poderia ter tido melhor sorte no Horto. Sorte do Galo.

Atlético 1 x 0 Sport
Motivo: Campeonato Brasileiro – 25ª Rodada
Estádio: Independência, em Belo Horizonte
Árbitro: Thiago Duarte Peixote (SP)
Gol: Júnior Urso (A)
Cartão amarelo: Samuel Xavier (Sport)
Cartão vermelho: Magrão (Sport)
Público: 11.389
Renda: R$ 382.580
Atlético
Victor, Marcos Rocha (Erazo), Gabriel, Leonardo Silva e Fábio Santos; Rafael Carioca, Júnior Urso, Otero (Carlos Eduardo), Clayton (Cazares); Lucas Pratto e Fred. Técnico: Marcelo Oliveira

Sport
Magrão, Samuel Xavier, Matheus Ferraz, Durval e Rodney Wallace; Paulo Roberto, Neto Moura, Everton Felipe (Agenor), Gabriel Xavier; Rogério (Apodi) e Luis Ruiz (Vinícius Araújo). Técnico: Oswaldo de Oliveira