Envolvido em morte de soldado é preso dentro de casa em Contagem/MG

Detido alega que irmão dele seria o responsável por realizar disparos que mataram o militar; atirador ainda está foragido

O Tempo

Um dos envolvidos na morte do soldado Daniel Assis Rocha, executado no domingo (25), foi preso nesta segunda-feira (26), dentro da casa onde mora com a família no bairro Jardim Riacho, localizado na cidade de Contagem, na Grande BH.
Durante a prisão, o suspeito entregou o irmão, identificado como "Betinho", declarando que ele que havia realizado os disparos que mataram o solado. O atirador ainda não foi encontrado, assim como a arma do militar, levada no crime.
Os militares contaram com o setor de inteligência da polícia para conseguir chegar até a localização o envolvido no crime. "Após a morte do militar, fizemos 

várias buscas na região. Mas ninguém havia sido encontrado. De lá pra cá, o setor de inteligência trabalhou bastante e chegamos até a casa dos suspeitos e ele acabou preso", explicou o tenente Edgar França, lotado no 2º Batalhão da Polícia Militar. 
Agora, depois de preso, o suspeito, que não tinha passagem pela polícia, foi encaminhado para a Delegacia de Homicídios de Contagem.
Mais cedo, a Polícia Civil havia informado que um inquérito policial foi aberto para investigar o caso e que todas as linhas de investigação estão sendo estudadas, inclusive a possibilidade de um latrocínio - roubo seguido de morte. 

Crime

O suspeito preso contou aos militares que estava em um bar no bairro Flamengo, em Contagem, com o irmão, o "Betinho", quando eles viram que o soldado Rocha estava armado. A partir daí, o militar foi vigiado pela dupla. Quando o soldado deixou o bar, o irmão do homem preso nesta segunda decidiu segui-lo.
"Ele conta que o irmão e o soldado tiveram uma discussão, que ele não soube precisar o motivo. E, em seguida, o irmão conseguiu pegar a arma do militar", explicou o tenente França.
De posse da arma, Betinho teria realizado vários disparos contra o soldado. Ao ver que a vítima já estava no chão e, aparentemente, sem vida, o atirador e o irmão, que o acompanhava, fugiram.
"O homem preso hoje diz que ele e o irmão pegaram um ônibus e foram para o centro. Depois de muitas horas, ele voltou para casa, mas o irmão não quis retornar com ele", explicou.