"Educação especial" Governo do Estado de Minas atrasa pagamento e alunos ficam sem transporte

Secretaria de Estado de Educação (SEE) explicou que já foram repassados à empresa aproximadamente R$ 1.270.000; segundo a pasta, o pagamento do valor em atraso, cerca de R$ 235 mil, está sendo programado

O Tempo 

(Foto Divulgação)

O transporte de 60 alunos matriculados na Escola Estadual de Educação Especial Doutor João Moreira Salles, em Belo Horizonte, ficou mais difícil desde essa quinta-feira (2), quando a empresa responsável por levar os estudantes até a unidade de ensino decidiu suspender a atividade.
A Camilotur, empresa responsável por prestar o serviço, alega que a medida foi tomada após o governo do Estado atrasar o pagamento por mais de dois meses. A Secretaria de Estado de Educação confirmou o atraso e disse que a quitação do valor está sendo programada.
Desde o início do ano, após firmar um contrato diretamente com a escola estadual, a Camilotur faz o transporte dos alunos. Ao todo, cinco ônibus e uma van transportam estudantes que moram em Belo Horizonte e em cidades da região metropolitana até a escola, localizada no bairro Minaslândia, na região Norte da capital mineira. Com a suspensão, seis viagens diárias deixaram de acontecer.
O gerente de fretamento da Camilotur, Oséas Lopes, disse que o problema já havia ocorrido anteriormente, mas que, após várias cobranças, o governo realizou o pagamento e foi possível manter o funcionamento. "No primeiro semestre, ficamos sem receber por três meses. Eles pagaram e conseguimos trabalhar. Mas, agora, não foram efetuados os pagamentos dos meses de julho e agosto", lamentou.
Lopes afirmou que a empresa fez várias tentativas de contato, mas não foi atendida. "Eu liguei para a Secretaria de Estado, mas me disseram que essa questão deveria ser tratada com a escola. Liguei várias vezes e mandei e-mail, mas até agora não recebemos resposta", explicou o gerente de fretamento.
Além do valor do combustível, a empresa também precisa arcar com a manutenção dos veículos e com os pagamentos do motorista e da monitora, equipe que está presente em cada veículo escolar.
Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) explicou que já foram repassados à empresa aproximadamente R$ 1.270.000 e que há em aberto um valor de cerca de R$ 235 mil. Segundo a pasta, a quantia é referente ao serviço de transporte realizado nos meses de junho, julho e agosto, cujo pagamento está sendo programado.
Além disso, a Secretaria afirmou que este ano iniciou um processo de licitação para contratação de outra empresa de transporte, que será gerenciada diretamente por ela.  A licitação foi realizada nesta sexta-feira (2), mas o resultado ainda não foi divulgado.
A pasta ainda afirmou ter se comprometido com os representantes da associação de pais de alunos da escola em "desempenhar todos os esforços para regularizar a situação o mais breve possível".
Minas Gerais conta com cerca 33 escolas de educação especial em todo território.