Cruzeiro busca 1 a 1 com o Atlético em empate ruim para os dois no clássico

Hoje em Dia
 
DANIEL TEOBALDO/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
 
Atlético melhor no primeiro tempo. Cruzeiro no segundo. O empate de 1 a 1 foi justo pelo o que os dois times mostraram no clássico, apesar de não ter sido muito bom na tabela de classificação, já que o Palmeiras e Flamengo se distanciam na ponta. E Cruzeiro, dependendo dos outros resultados, ainda pode cair para a zona de rebaixamento.

O Atlético entrou em campo mais consciente, valorizando a posse de bola, enquanto o Cruzeiro, contando com o apoio de sua torcida, foi para cima, mas os ataques geralmente eram mais fruto de afobação do que de uma jogada bem armada.

Os donos da casa avançavam pela esquerda, em cima de Carlos César, e, numa dessas oportunidades, o argentino Ábila entrou na área e já tocar para os companheiros quando o Fábio Santos cortou.

Mas a bola metida no travessão, num chute forte de Otero, aos 9 minutos, mostrou que o Galo só estava esperando a melhor oportunidade para exibir sua força. No lance, Robinho prosseguiu sozinho, envolvendo várias jogadores do Cruzeiro.

Aos poucos, o jogo foi se equilibrando e o visitante passou a ter mais volume, com Robinho dando a cadência necessária, buscando os espaços e criando situações, aproveitando as descidas do Cruzeiro para armar perigosos contra-ataques.

Do outro lado, o uruguaio Arrascaeta não apresentava uma boa partida, esbarrando sempre na marcação forte de Erazo e Leonardo Silva. Rafael Sóbis e Ábila tentavam compensar com muita entrega e movimentação, arrancando algumas boas jogadas.

Aos 30 minutos, justamente num contra-ataque, quando Léo Silva avançou a marcação no meio-campo, a bola foi lançada para a esquerda e Fábio Santos fez um belo lançamento, com Clayton cabeceando no canto esquerdo de Rafael para abrir o placar.

Nas arquibancadas, os 2.200 atleticanos passaram a dominar a guerra das torcidas, enquanto os cruzeirenses sentiram o golpe, voltando a se animar em dois lances de perigo no final da etapa inicial.


No primeiro, Edimar cruzou para Arrascaeta cabecear, por cima do travessão. Na segunda, Ábila perdeu um gol incrível, ficando cara a cara com Victor, com tempo para chutar, mas acabou mandando para fora.

O Atlético não diminuiu o ritmo no segundo tempo, com um jogo muito sólido e eficiente. As descidas para o ataque continuaram perigosas, com Júnior Urso também aparecendo para finalizar, aos 9 minutos, após toque de Fred.

As mexidas de Mano Menezes surtiram efeito, com Allison lugar de Rafael Sóbis e Élber no de Ariel Cabral. O time passou a beliscar mais, principalmente depois do 20 minutos, quando Ábila pôs a bola na trave.

O gol de empate veio dez minutos após, com Arrascaeta lançando para Élber. O atacante, quase na linha de fundo viu Robinho penetrando na área e tocou. Robinho bateu de perna direita, sem defesa para Victor.


O azul e branco passou a dominar o Mineirão, com a torcida apostando na virada. E o Cruzeiro, com esse gás vindo das arquibancadas, era só pressão nos 15 minutos finais, chegando junto em cada jogada.

Aos 41, Ábila avançou dentro da área, Gabriel chuta para trás e os cruzeirenses reclamam de toque de mão de Erazo, não marcado pelo árbitro. Mano Menezes era um dos mais irritados e acabou sendo expulso.

O lateral esquerdo Lucas, que estava sendo muito vaiado pelos torcedores, também foi expulso, mas por ter agarrado a camisa de Otero num contra-ataque.

Na próxima rodada, o Atlético, que está em terceiro lugar, com 46 pontos, cinco a menos que Palmeiras, recebe o Internacional, no domingo. Já o Cruzeiro, com 30 pontos, pega o Flamengo, fora de casa, também no domingo.

CRUZEIRO – Rafael; Lucas, Bruno Rodrigo, Léo, Edimar; Ariel Cabral (Élber), Henrique (Denílson) e Robinho; Rafael Sóbis (Alisson) , Arrascaeta e Ábila. Técnico: Mano Menezes

ATLÉTICO – Victor; Carlos César (Gabriel), Leonardo Silva, Erazo e Fábio Santos; Rafael Carioca, Júnior Urso e Otero; Robinho (Cazares) , Clayton e Fred (Lucas Pratto). Técnico: Marcelo Oliveira