Buffet dá calote de R$ 10 mil um dia antes de casamento em Minas

Casal teve que pegar empréstimo para contratar outras empresas para servir a comida e para fazer a decoração da festa; pelo menos outras oito noivas foram "passadas para trás" pela Essencial Decorações

O Tempo

As vésperas do casamento, a supervisora de contratação Joyce Valeska da Silva Matos, 25, e o supervisor de vendas Fábio Rodrigues Tavares de Melo, 29, foram informados de que a empresa contratada por eles como buffet e responsável pela decoração não iria comparecer com o contrato. O casal já tinha pago os R$ 10.700 cobrados pela Essencial Decorações e precisou em 24 horas conseguir um empréstimo e investir mais R$ 13 mil para que outras duas empresas prestassem o serviço em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte.
Há uma semana da cerimônia, que aconteceu no último sábado (10), o casal já não conseguia contatar a responsável pelo buffet para fechar os últimos detalhes. "Ela (responsável pelo Essencial Decorações) tinha me mandado um e-mail, na semana do casamento, dizendo que tinha mudado o número de telefone", lembrou Joyce.

FOTO: Arquivo Pessoal

Último contato foi há quatro dias antes do casamento
Após esse contato pela internet, os noivos não conseguiram mais falar com a contratada. Sem sucesso, na sexta-feira (9) pela manhã, um dia antes do casamento, Joyce foi na residência da dona do buffet, no bairro Tirol, na região do Barreiro, em Belo Horizonte, e se deparou com um caminhão de mudanças na porta. "O homem do caminhão disse que ele tinha comprado os móveis dela, não estava fazendo a mudança não", contou.
Joyce registou um Boletim de Ocorrência e começou a procurar por outras empresas que pudessem salvar o seu casamento. Felizmente, ela conseguiu, não sem ter tido muita "dor de cabeça" e, agora, ter contraído uma dívida. "Eu estava casando sem dever nada, porque em maio de 2016 pagamos o último cheque", afirmou.
Parecia que ela estava prevendo que, realmente, levaria um calote. Na tarde da mesma sexta-feira, o advogado da dona do buffet, ligou para Joyce e disse que a empresa não "faria" o casamento dela. "Ele disse que ela não ia fazer o meu casamento e que queria negociar com a gente. Que ela não tinha condições financeiras (recebia uma festa para fazer outra) e que estava com problemas financeiros há dez anos. Ainda, falou que ela iria pegar um empréstimo para fazer o meu casamento, mas que o banco estava de greve e que por isso não teve jeito", narrou.
"Estou calçando a minha cara e ligando para vocês", teria dito o advogado ao telefone para Joyce, alegando que a cliente tinha pedido para ele mandar uma notificação, mas que como este documento não chegaria há tempo, ele resolveu dar o telefonema.
Segundo Joyce, a contratada faria outros dois casamentos no mesmo dia. "Foi um desespero, é uma coisa que não dá para explicar. Ficamos decepcionados. No final da festa, que eu vi que deu certo, eu comecei a chorar. E, agora, é correr atrás do prejuízo", desabafou.
Noiva tem prejuízo de R$ 22 mil
A vendedora Camila Maria de Jesus, 28, também contratou a Essencial Decorações e "ficou na mão". Ela fechou negócio em dezembro de 2015, pagando uma entrada de R$ 5.000 (R$ 2.000 pelo buffet e R$ 3.000 pela decoração). Como combinado, em agosto de 2016, a noiva deveria receber as bebidas da festa, mas isso não aconteceu.
"Fiz um Boletim de Ocorrência e entrei na Justiça contra ela, que sumiu. Ela não me atendia mais, não encontrava ela em casa e, por isso, criei um grupo (de pessoas lesadas pela mesma empresa), para ver se conseguimos que ela pague por isso", afirmou. Camila contratou outro buffet por R$ 12 mil e outro decorador por R$ 5.000.
Nove clientes foram lesadas
O advogado da dona do buffet, Bruno Patrício Alves dos Santos, garante que a situação será resolvida com as nove noivas que não terão o serviço prestado.
"Estou notificando todas as noivas e ela (dona da empresa) não está pegando mais serviço, para não caracterizar má-fé. Ela vai pagar tudo. Eu vou sentar com todas as noivas e vou negociar", alegou.
Santos explicou que a cliente está em um processo de separação há dois anos, por conta de dividas contraídas pelo casal, e que essa situação financeira acabou prejudicando o trabalho da empresa dela. "Ela estava pregando empréstimos para fazer as festas, descobrindo um santo para cobrir outro. Chegou um ponto que ela não conseguiu fazer isso mais", detalhou.
De acordo com o advogado, a Essencial Decorações está fechada e um processo de falência está em andamento.