Torcedores são expulsos por gritos de 'Fora, Temer' no Mineirão; veja vídeo

Hoje em Dia
FORA, TORCEDOR - Protesto no Mineirão durante jogo entre Estados Unidos e França pelo torneio olímpico
Torcedores foram retirados do estádio Mineirão, neste sábado (6), devido a manifestações políticas durante a vitória dos Estados Unidos sobre a França, por 1 a 0, pela segunda rodada do torneio olímpico de futebol feminino.
Vestindo camisetas com uma letra cada, nove manifestantes formaram a frase "Fora, Temer" na arquibancada e puxaram o grito de protesto contra o presidente da República em exercício, Michel Temer (PMDB), repetindo uma ação já realizada em outras praças esportivas que recebem os Jogos Rio 2016 (veja os vídeos abaixo).
O sargento Adair, da Sala de Imprensa da Polícia Militar de Minas Gerais, confirmou o fato, mas não quis informar o número exato de torcedores removidos do local.
De acordo com o oficial, os manifestantes foram convidados a se retirar pacificamente do Gigante da Pampulha. Ainda segundo ele, também foram retiradas algumas outras pessoas que reagiram contrariamente ao protesto, com vaias e outras palavras de ordem.
Conforme o militar, não houve resistência por parte dos envolvidos, e por isso não foi necessário registrar Boletim de Ocorrência. Vídeos divulgados em redes sociais, porém, mostram que pelo menos um dos manifestantes retirou a camiseta na tentativa de voltar à arquibancada, mas foi impedido.
Regulamento
A proibição dos manifestos políticos é válida para todos os eventos da Olímpiada 2106 e consta no regulamento da competição, bem como nos ingressos e no site oficial do evento.
Entre os itens vetados estão faixas, cartazes, apitos, megafones e quaisquer mensagens de "cunho político e religioso ou outros temas que possam causar ofensa ou incitar discórdia" ou ainda "criar ruído excessivo e interferir" nas competições.
Apesar da proibição, manifestações como a do Mineirão já foram registradas no estádio Mané Garrincha, em Brasília, e no Sambódromo do Rio, além das vaias a Temer durante a Cerimônia de Abertura dos Jogos, nesta sexta-feira (5), no Maracanã.
Lei federal
As regras do COI (Comitê Olímpico Internacional) são amparadas na Lei Federal nº 13.284, promulgada ainda durange a gestão Dilma Rousseff (PT), no dia 10 de maio de 2016. O texto, porém, não faz referência a mensagens de cunho político e ainda resguarda "o direito constitucional ao livre exercício de manifestação" (leia abaixo o capítulo na íntegra).
CAPÍTULO IV
DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E PERMANÊNCIA NOS LOCAIS OFICIAIS
Art. 28.  São condições para acesso e permanência nos locais oficiais, entre outras:
I - portar ingresso ou documento de credenciamento na forma do art. 10;
II - não portar objeto que possibilite a prática de ato de violência;
III - consentir a revista pessoal de prevenção e segurança;
IV - não portar ou ostentar cartazes, bandeiras, símbolos ou outros sinais com mensagens ofensivas, de caráter racista ou xenófobo ou que estimulem outras formas de discriminação;
V - não entoar xingamentos ou cânticos discriminatórios, racistas ou xenófobos;
VI - não arremessar objetos, de qualquer natureza, no interior do recinto esportivo;
VII - não portar ou utilizar fogos de artifício ou quaisquer outros engenhos pirotécnicos ou produtores de efeitos análogos, inclusive instrumentos dotados de raios laser ou semelhantes ou que os possam emitir, à exceção de equipe autorizada pelas entidades organizadoras ou pessoa por elas indicada, para fins artísticos;
VIII - não incitar e não praticar ato de violência, qualquer que seja sua natureza;
IX - não invadir e não incitar a invasão, de qualquer forma, das áreas restritas a competidores, representantes de imprensa, autoridades e equipes técnicas;
X - não utilizar bandeiras para outros fins que não o da manifestação festiva e amigável.
§ 1º  É ressalvado o direito constitucional ao livre exercício de manifestação e à plena liberdade de expressão em defesa da dignidade da pessoa humana.
§ 2º O não cumprimento de condição estabelecida neste artigo implicará a impossibilidade de ingresso da pessoa no local oficial ou o seu afastamento imediato do recinto, sem prejuízo de outras sanções administrativas, civis ou penais.