Mulher amarra amante na cama e o mata queimado para esconder traição

Suspeita esperou que o homem, que era seu vizinho, saísse do banho e o acertou com um pé de cabra para amarrá-lo na cama e atear fogo no cômodo

O Tempo

Para que a família não descobrisse seu relacionamento extraconjugal, uma mulher de 46 anos matou seu amante queimado, em Juiz de Fora, na Zona da Mata. O crime ocorreu no último dia 24 de junho, no bairro Santa Luzia, e a mulher foi apresentada nesta sexta-feira (26), junto com outros três suspeitos de homicídios na cidade.
O delegado Felipe Fonseca Peres, que responde interinamente pela Delegacia de Homicídios de Juiz de Fora, contou que a suspeita foi presa temporariamente após as investigações apontarem que ela era responsável pela morte de Valdo Afonso de Oliveira, de 49 anos.
Quando detida, a mulher confessou o crime e deu detalhes do assassinato. Segundo o delegado, ela contou que se relacionava com o homem, que era vizinho dela, desde o ano passado. Casada, a suspeita temia que a família descobrisse o caso.
A morte foi arquitetada como uma cena de filme. A mulher contou que foi até a casa do amante e, armada com um pé de cabra, esperou que ele saísse do banho. “Ela o acertou com um golpe na cabeça. Ele caiu, e ela então amarrou os pés e as mãos dele em uma cama e pôs fogo”, afirmou o delegado.
Para que as chamas pegassem rapidamente, a suspeita jogou roupas e sacos plásticos sobre o corpo do amante. A perícia apontou que a morte de Oliveira ocorreu por causa da grande quantidade de fumaça inalada por ele.
A suspeita está detida na Penitenciária Ariosvaldo Campos Pires, onde responderá por homicídio duplamente qualificado, com pena de 12 a 30 anos de prisão.
Suspeitos de outros crimes apresentados
Além da mulher, outros três suspeitos de outros crimes da cidade também foram apresentados na Delegacia Especializada de Homicídios de Juiz de Fora nesta sexta-feira.
Segundo o inspetor Anderson Salvador, da Polícia Civil, o mais novo dos suspeitos, de 18 anos, seria responsável pela morte de Luís Eduardo da Silva, de 26 anos, assassinado a tiros em um bar, no bairro Vila Esperança I, no início de abril. A morte tinha ligação com rixas entre bandidos das vilas Esperança I e II.
Outro preso, de 20 anos, é suspeito de tentar matar uma adolescente de 15 anos e o pai de um policial militar.
O terceiro homem, de 21 anos, foi preso após os investigadores encontrarem um mandado de prisão em aberto contra ele ligado a um homicídio ocorrido em 2013. Os suspeitos estão detidos no Centro de Remanejamento do Sistema Prisional (Ceresp) da cidade.