Marinha confirma que corpos encontrados são de embarcação desaparecida

Dois dos três corpos estavam com um colete, que possuía identificação da embarcação

A Tribuna

O Grupamento de Bombeiros Marítimo (GBMar) encontrou nesta sexta-feira (5) três corpos durante buscas aos ocupantes do barco Anjo Gabriel I, desaparecido em Bertioga no sábado (3), e confirmou que pelo menos dois deles são de passageiros da embarcação.

Segundo o GBMar, os dois primeiros cadáveres localizados estavam com coletes salva-vidas, mas, o terceiro, não. A confirmação de que as primeiras vítimas são do naufrágio do barco se deram por conta de algumas características, mas a identificação correta será feita apenas no Instituto Médico Legal (IML).

Ainda de acordo com o GBMar, o terceiro corpo é de um homem com uma blusa e uma bermuda pretas.

Os dois primeiros corpos resgatados foram localizados entre a Laje de Santos e a Ilha de Montão de Trigo. O primeiro estava a 9 quilômetros do rochedo da Laje, localizada a 42 quilômetros da costa. Ele foi retirado do mar pela tripulação do Navio Patrulha Oceânico (NPaOc), deslocado do Rio de Janeiro para ajudar nas buscas. 
O segundo foi localizado nas proximidades da Ilha de Montão de Trigo, que fica na enseada de Bertioga, no caminho para o Arquipélago de Alcatrazes, a partir do Litoral Sul. Este foi achado por um grupo de busca voluntário. Uma equipe do Grupamento Marítimo do Bombeiros (GBMar) o retirou da água. 
As buscas continuam ininterruptas, de acordo com a Autoridade Marítima, até a localização das demais pessoas que estavam a bordo. Nos últimos três dias, destroços da embarcação foram encontrados pelas equipes e recolhidos do mar. 
Destroços da embarcação foram trazidas à terra pelas equipes do GBMar (Foto: Rogério Soares)


Busca e salvamento 
 
O Anjo Gabriel I estava com a documentação em dia com a Marinha. O barco está classificado como de Esporte e Recreio, é totalmente de madeira, inclusive o casco, tem 15 metros de comprimento, 4 metros de largura (boca) e calado de 1,18 metro.
A barco era capaz de transportar até 19 pessoas, de acordo com a documentação registrada pela Marinha. Estavam a bordo os amigos Fabio Garbin, Rogério Viana, Dyone Amorim Neves, Natalino Morita, Vandir Assunção do Carmo, Ismael dos Santos e Renato Molinari. 
Na última sexta-feira (29), por volta das 18 horas, o grupo saiu da Marina Polygon, em Bertioga, para pescar. O retorno previsto era o final da tarde de sábado (30). Parentes alertaram as equipes de salvamento do Corpo de Bombeiros e da Marinha do Brasil sobre o não retorno. 
Desde então, familiares dos desaparecidos se reúnem todos os dias no píer da marina, em Bertioga, para coordenar grupos de busca voluntários. Os parentes chegaram, inclusive, a alugar um helicóptero, que faz o sobrevoo do litoral desde o sumiço, reforçando ainda mais os trabalhos. 
Uma aeronave da Força Aérea, baseada em Curitiba, realiza sobrevoos de mais de 7 horas diárias. Duas lanchas rápidas do GBMar também reforçam os trabalhos, ao lado de mais outras duas lanchas e o helicóptero Águia 32 da Polícia Militar Ambiental (PMA).

Embarcações de voluntários localizaram no começo da tarde deste sábado (6) novos destroços do barco Anjo Gabriel I, desaparecido desde o último sábado (30) com sete pessoas a bordo. Na sexta-feira (5) três corpos foram encontrados.  

Botijão recolhido pela embarcação Manta, da Iniciativa Pro Mar. Foto: Iniciativa Pro Mar/Divulgação


Pedaços de madeira foram achados. Um avião da FAB fez um voo rasante na Ilha da Queimada Grande, que fica a cerca de 35 quilômetros do litoral do estado de São Paulo e, localizaram outros destroços da embarcação, inclusive o piso do barco.  
Durante o trabalho de busca na sexta-feira, foram encontrados os corpos de Natalino Morita, Rogério Viana e Vandir Assunção do Carmo. Um dos três corpos estava com colete salva-vidas, de acordo com o subcomandante do GBMar, major Salvador Alves Diniz Filho
Participam das buscas neste sábado as equipes do GBMar, Polícia Militar Ambiental (PMA), Marinha e de embarcações particulares.

Parte do casario encontrado pela equipe do ICMBio. Foto: Kelen Leite/ ICMbio