Entenda porque o SAMU ainda não está funcionando nas cidades do Centro-Oeste de Minas, leia mais



 Ambulâncias do Samu estão paradas há 3 meses

Com Portal centro-Oeste

A promessa de colocar o Serviço de Atendimento a Urgência e Emergência (Samu) em funcionamento ainda este ano no Centro-Oeste está ficando cada vez mais distante. Há três meses ambulâncias estão espalhadas pelas cidades credenciadas a espera da liberação de recursos por parte do Estado.


São 31 ambulâncias, sendo 24 normais e outras sete equipadas como Unidade Terapia Intensiva (UTI). Todas já foram distribuídas para os municípios com bases do Samu. Das UTI’s entregues, uma ficou em Divinópolis e as outras em Formiga, Nova Serrana, Campo Belo, Luz, Oliveira e Itaúna.
A central será no antigo prédio do Pronto-Socorro (Foto: Divulgação/PMD)


As bases de apoio ficam em 22 municípios. Além das já mencionadas receberam as ambulâncias simples: Pitangui, Arcos, Cláudio, Itapecerica, Bom Despacho, Bambuí, Dores do Indaiá, Candeias, Carmópolis de Minas, Santo Antônio Monte, Santo Antônio do Amparo, Itaguara, Pará de Minas, Martinho Campos e Pimenta.

Em algumas cidades houve queimas de fogos e carreatas para oficializar as entregas. Três meses depois, os veículos estão parados e sem previsão para serem utilizados. Isso porque o Estado ainda não liberou o recurso necessário para o funcionamento do serviço.

Custeio

O impasse maior é o custeio. Apesar de ele ser tripartite, ou seja, municípios, Estado e União, o governo federal já antecipou que não tem previsão no orçamento. O Estado terá que se responsabilizar pela parte dele até a elaboração do Plano de Ação Regional.

Ao mês são necessários cerca de R$ 3,5 milhões, além de um convênio de R$ 4,5 milhões para equipar a central e unidades básicas.

Manifestação
As ambulâncias estão paradas há quase três meses (Foto: Amanda Quintiliano)

O atraso tem gerado cobrança por parte da população aos prefeitos. Manifestações de insatisfação são constantes das redes sociais. Sob pressão, os gestores resolveram fazer um ato simbólico na terça-feira da próxima semana, dia 30. Um abraço será dado na Central de Regulação em Divinópolis. No mesmo dia serão entregues os certificados aos profissionais aprovados no processo seletivo e que passaram por treinamento.

“Estamos convocando esses profissionais a virem no Samu e também os prefeitos, secretários da região para dar um abraço nesta entidade […] Esperamos a participação de todos e que a população entenda que os prefeitos fizeram a parte deles. O consórcio está com tudo pronto para ser inaugurado, mas, uma vez que, o Estado não dá perspectiva de inauguração, queremos mostrar a importância desse equipamento de saúde”, afirma o secretário executivo do Cis-Urg, José Márcio Zanardi.

Sem previsão

A Secretaria de Estado de Saúde (Ses) por meio da Superintendência Regional de Saúde, informou apenas que até o momento foi realizado o pagamento da primeira parcela, no valor de R$ 3.061.088,33, referente à aquisição de mobiliário, equipamento e implantação de telefonia, material de resgate, manequins e realização da capacitação.

Além disso, a Ses aguarda disponibilidade de recursos para o custeio mensal do serviço, haja vista que o Governo Estadual deverá abarcar todo o recurso (parcela federal e estadual), até que se efetive a habilitação pelo Ministério da Saúde.

Sem citar uma data, disse que a intenção do governo é implantar o Samu nos 17 Territórios de Desenvolvimento até o final do mandato, em 2018.