Boxe brasileiro conquista ouro inédito na Olimpíada do Rio

O brasileiro Robson Conceição conquistou a medalha de ouro na categoria peso leve (até 60 kg) dos Jogos Olímpicos Rio 2016 ao derrotar o francês Sofiane Oumiha por decisão unânime na final, na noite desta terça-feira (16).
AFP

Este é o primeiro título do boxe brasileiro em Jogos Olímpicos. A modalidade soma agora cinco medalhas na história: uma de ouro, uma de prata e três de bronze.
Como o placar de cada round demonstra (30-27, 29-28 e 29-28), a vitória do brasileiro foi incontestável. Com o Pavilhão 6 do Riocentro lotado, a torcida saudou Robson na entrada com o grito de "o campeão chegou", enquanto o francês foi recepcionado com o já tradicional grito de "Uh, vai morrer!" que marcou o torneio de boxe olímpico.
O brasileiro foi para cima do francês, empurrado pela torcida, que fez a contagem regressiva no final do terceiro round e começou a gritar "é campeão" antes mesmo do anúncio oficial.
Robson disputou no Rio de Janeiro sua terceira Olimpíada, depois de cair logo na primeira luta em Pequim-2008 e Londres-2012, nas duas oportunidades em combates contra pugilistas da casa.
O baiano, de 27 anos, cumpriu a promessa à filha Sophia, que está prestes a completar dois anos: uma medalha olímpica de presente. Após a vitória, o pugilista correu para os braços da esposa e da filha para celebrar o título.
O pódio já estava garantido desde que Robson passou das quartas de final, já que no boxe olímpico os semifinalistas que perdem suas lutas recebem a medalha de bronze.
O brasileiro estreou nos Jogos Rio 2016 contra Anvar Yunsov, do Tadjiquistão. Depois do primeiro round, vencido por Robson, o rival informou que não continuaria na luta, o que configurou um nocaute técnico. No segundo combate, já pelas quartas de final, o baiano superou o uzbeque Hurshid Tojibaev por decisão unânime dos juízes.
A semifinal foi uma das melhores lutas dos Jogos Olímpicos Rio-2016. Robson encarou o cubano Lazaro Alvarez, tricampeão mundial. Em um combate intenso, ele buscou a vitória até o fim, com direito a uma sequência de golpes nos últimos segundos. A luta elevou o moral do brasileiro, vice-campeão mundial em 2013 e terceiro colocado no Mundial de 2015, para a disputa da medalha de ouro.
Na história do boxe olímpico o Brasil tem outras quatro medalhas: a prata de Esquiva Falcão em Londres-2012 e as medalhas de bronze de Servílio de Oliveira na Cidade do México-1968, de Yamaguchi Falcão e de Adriana Araújo, ambas em Londres-2012.
As medalhas de bronze na categoria peso leve no Rio-2016 foram para o cubano Alvarez e para o mongol Otgondalai Dorjnyambuu.