Bandidos destroem quartel tentando matar PMs e explodem caixas

Pelo menos 8 suspeitos fortemente armados explodiram o único caixa eletrônico da pacata cidade de Divisa Alegre, que tem pouco mais de 6 mil habitantes, e ainda perseguiram e atiraram contra os dois policiais de plantão

O Tempo

Dois policiais militares precisaram pular o muro dos fundos do quartel para salvarem suas vidas, na madrugada da última quarta-feira (24), durante a ação de uma quadrilha que explodiu o caixa eletrônico do único banco de Divisa Alegre, no Norte de Minas. O bando chegou a invadir e destruir parte do quartel efetuando disparos de fuzil e outras armas pesadas contra os agentes.
Conforme o registro da Polícia Militar (PM) do município, era por volta das 3h quando o 3º sargento Pedro Oscar e o soldado Carlos Sena saíram do quartel, que fica de frente para a agência do Bradesco, e foram surpreendidos por um automóvel. Neste momento, um suspeito magro e de cabelos lisos surgiu na esquina portando uma arma longa mirando na direção dos policiais e gritou "segura p...", antes de iniciar os disparos.

Os dois policiais correram imediatamente para o interior do quartel, sendo que vários disparos atingiram as paredes, portas e janelas da unidade. Eles se esconderam na lavanderia que fica nos fundos do local, porém, alguns dos suspeitos pularam o muro da frente da sede da PM e começaram a perseguir os militares, atirando com as armas de grosso calibre em direção ao quintal onde os agentes estavam.
Mesmo sob uma chuva de disparos, os dois policiais tentaram revidar atirando com suas pistolas de carga da PM. Entretanto, os bandidos continuavam a avançar dentro do quartel, chegando cada vez mais próximos deles. Foi então que os servidores públicos, percebendo que não teriam como resistir por estarem em desvantagem numérica e com armas de menor calibre, decidiram pular o muro dos fundos.
Durante a queda na garagem de uma construção, o soldado Sena sofreu um ferimento no joelho e o 3º sargento Oscar acabou lesionando sua mão. Enquanto isso, a quadrilha continuou no interior do quartel, chegando a arrombar duas portas em busca dos policiais enquanto gritavam "sai p....", "aparece c...." e "vão tomar tiro".
Escondidos, a dupla de militares conseguiu acionar reforço policial por meio do aplicativo WathsApp. Enquanto isso, diversos disparos eram efetuados na rua e duas explosões também foram registradas. Somente ao ouvirem carros saindo em alta velocidade e perceberem que os disparos estavam cada vez mais distantes, os policiais puderam sair do abrigo. Toda a ação da quadrilha durou cerca de 20 minutos, ainda de acordo com o boletim da PM.
Foram recolhidos no local vários estojos de munições de revólveres, pistolas, fuzis e escopetas, entre eles os calibres .45, .556, .762, .38 e 12. Pelo menos oito homens participaram da ação cinematográfica, sendo que pelo menos dois automóveis foram visualizados em fuga, sendo um Fonda Civic cinza e um Ford Ecosport branco, que teve a placa anotada e foi constatado que era um veículo de Salvador, na Bahia.
Militares e policiais civis dos municípios de Pedra Azul e Águas Vermelhas chegaram a faze um cerco e bloqueio, porém, nenhum dos indivíduos chegou a ser identificado ou preso até o momento.
Danos

As centenas de disparos com armas de grosso calibre dos bandidos atingiram e danificaram praticamente todo o quartel. Foram destruídas a porta principal, assim como a proteção de vidro da janela principal, duas portas de madeira do interior da unidade e paredes internas e externas. Também foram danificadas duas mesas, um computador, uma impressora, dois armários de madeira, quatro câmeras de segurança, um monitor que era interligado as câmeras de segurança, um bebedouro, um ar-condicionado e diversos outros utensílios.
Além disso, a viatura que se encontrava na frente do quartel também acabou atingida por vários disparos, quebrando o vidro da porta do passageiro e furando dois pneus. O carro particular do soldado também acabou alvejado e teve três pneus furados. Ainda de acordo com o registro policial, os disparos transfixaram as rodas do veículo, deixando-as inutilizáveis.
Já a agência do Bradesco teve os seus dois caixas eletrônicos explodidos, o que danificou todo o interior do banco e chegou a comprometer a estrutura do imóvel. Os suspeitos fugiram levando todo o dinheiro existente nos terminais, quantia não precisada pela corporação. A quadrilha espalhou ainda centenas de pregos pela entrada da cidade para impedir a chegada de reforços.
FOTO: PMMG / DIVULGAÇÃO
divisa alegre explosão
Pregos foram espalhados para evitar a chegada de reforço policial
A perícia da Polícia Civil compareceu ao local e constatou a destruição total da carga, uma vez que não foram deixados vestígios do material usado na ação. Segundo a corporação, isto denota que os suspeitos tinham grande conhecimento sobre o manuseio de explosivos. Foram recolhidas diversas notas de R$ 10, R$ 20, R$ 50 e R$ 100 destruídas durante a explosão.