Ausente no encerramento, Temer manda carta a premier japonês

Presidente interino quer evitar constrangimento de ser vaiado e não está presente no Maracanã

Ausente na festa de encerramento da Olimpíada depois de ser vaiado na cerimônia de abertura, o presidente em exercício, Michel Temer, mandou uma carta ao primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, entregue pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ). A ausência de Temer causou constrangimento entre o governo e a comitiva japonesa, porque havia a expectativa de um encontro bilateral com o presidente.
O governo brasileiro ofereceu ao primeiro-ministro japonês a opção de descer em Brasília, para uma reunião com Temer, antes de seguir para o Rio. O governo japonês, no entanto, disse que não poderia aceitar o convite porque a programação de Abe já estava fechada e ele passaria apenas 18 horas no Brasil.
"Confio que poderemos encontrar-nos proximamente. Teremos sempre a beneficiar-nos do diálogo franco e aberto sobre nossa diversificada agenda bilateral e sobre temas globais de interesse comum", disse Temer, na carta. O presidente em exercício desejou sucesso na realização dos Jogos Olímpicos de 2020, que serão disputados em Tóquio.
Diferentemente da cerimônia de recepção aos chefes de Estado e de governo, antes da festa de abertura dos jogos, quando Temer recebeu 40 autoridades no Palácio do Itamaraty, no Centro do Rio, o coquetel deste domingo reúne apenas oito chefes de Estado e de governo.
As autoridades foram recebidas pelos ministros das Relações Exteriores, José Serra, e do Esporte, Leonardo Picciani, e pelo presidente da Câmara. Eles irão em seguida para o estádio do Maracanã, onde assistirão à cerimônia de encerramento.