Arqueólogos encontram na Bolívia esqueleto de mulher de 1.100 anos

AFP

Uma equipe de arqueólogos descobriu no sudoeste da Bolívia os restos ósseos de uma mulher que datariam de cerca de 1.100 anos atrás, em uma região onde presumivelmente convergiram povos ancestrais da Argentina, Paraguai, Brasil e Bolívia.
O esqueleto seria de uma mulher, enterrada em posição fetal e cujos restos foram colocados numa urna de cerâmica, sendo enterrada um pouco mais de um metro da superfície e coberta por um tipo de mosaico, de acordo com o site do jornal El Deber.

O lugar da descoberta arqueológica é a pequena cidade rural de El Soto, na província de Chiquitos de Santa Cruz, habitada por cerca de 50 famílias.

A área teria correspondido a um grande assentamento humano da cultura Tupi-guarani.

"Nesta região houve a grande fusão dos povos que então se conectaram com outros em diferentes partes do que é hoje Santa Cruz", comentou o arqueólogo Danilo Drakic.

Em áreas adjacentes foram encontradas várias peças arqueológicas, como colares de cobre com pedras preciosas, cerâmicas e vasos pintados. Por esta razão, o especialista suspeita que havia uma rede comercial entre comunidades com costumes semelhantes.