Após milagre Madre Teresa de Calcutá será canonizada no dia 4 de setembro

Após a confirmação do 2º milagre, religiosa será canonizada pela Igreja Católica no dia 4

A Tribuna

 

De Santos, o milagre que fez de Madre Teresa santa

Dez de dezembro de 2008 é o renascimento do santista Marcilio Haddad Andrino, de 42 anos. A Igreja Católica crê que ele recebeu o segundo milagre de madre Teresa de Calcutá, que por essa razão será canonizada em 4 de setembro.
Em 2002, o Vaticano reconheceu um primeiro milagre atribuído à madre: a cura de uma mulher de 30 anos de Bangladesh, Monika Besra, que tinha um tumor abdominal.
No caso de Marcilio, oito bolas de pus desapareceram de sua cabeça sem cirurgia. Já no centro cirúrgico, onde colocaria um dreno para remover um acúmulo excessivo de líquido (hidrocefalia), ele acordou. 
Os médicos ainda não conseguem explicar o que aconteceu. Muito menos o motivo da doença, até então agressiva, ter recuado. Mesmo assim, nem todos acreditam em milagre.
Marcilio, por sua vez, sempre teve fé. Nos dias em que seu quadro piorava, quem apoiava à então namorada, Fernanda Nascimento Rocha, era o padre Elmiran Ferreira Santos, que chegou a se perguntar: “E agora, o que mais vou dizer?”. 
Foi ele quem entregou a Fernanda uma relíquia: um santinho de madre Teresa de Calcutá, uma oração e um pedaço de seu hábito. O padre tinha recebido a relíquia de presente, minutos antes, após uma missa na Casa Religiosa Irmãs Missionárias da Caridade, na Zona Noroeste, cuja fundadora foi madre Teresa de Calcutá.
Fernanda o procurou chorando, por volta de 20h, dizendo que Marcilio estava na UTI do São Lucas, em Santos. Após dizer que “para Deus, nada é impossível”, convidou-a a rezar. Nessa hora, entregou a relíquia. “Cheguei a visitá-lo e ele não sabia mais quem eu era. Não reconhecia nem a si próprio”, diz o padre.
Dias depois, lembra Elmiran, veio a notícia de que Marcilio teve alta. “Os médicos ficaram surpresos”.
Repercussão
O relato de milagre chegou à Casa Religiosa Irmãs Missionárias da Caridade de Santos. As informações correram até chegar a Roma e o papa Francisco mandar uma equipe para estudar e investigar o fato.
Além de cardeais e leigos analisarem os relatos de todos os envolvidos, uma equipe médica também fez parte do processo, estudando exames e provas físicas. “A importância é enorme, tanto para a ciência quanto para a Igreja. Não há contradição entre a fé e a razão. A Igreja valoriza cada estudioso de cada área”, explica o padre.
Hoje, olhar para Marcilio e enxergá-lo como pai de dois filhos, casado e empregado emociona Elmiran. “É um momento de graça na vida de todos nós. É uma prova de que Deus olha por todos e está presente na nossa vida, mesmo diante da dor e do sofrimento”.